EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Grécia: Sem "Grexit" mas com futuro difícil

Grécia: Sem "Grexit" mas com futuro difícil
Direitos de autor 
De  Dulce Dias com Nikoletta Kritikou, correspondente da euronews em Atenas
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Os gregos estão satisfeitos por continuarem na zona euro mas acusam a Alemanha de lhes fazer a vida difícil

PUBLICIDADE

Aliviados pela manutenção do país zona euro, os gregos continuam, contudo, preocupados com o futuro, que preveem difícil e austero. E, sobretudo, muitos apontam o dedo à Alemanha de Angela Merkel, a quem acusam de prepotência.

“Uma vez mais, pela terceira vez na história moderna, a Alemanha mostrou que, quando é forte, aproveita-se disso e causa feridas profundas na Europa”, acusa um ateniense, que continua: “Será muito difícil reduzir o fosso entre a Grécia, por um lado, e por outro, os países do norte da Europa e a Alemanha”.

Uma senhora reconhece: “Estamos a navegar em águas desconhecidas. É por isso que fizemos tantos compromissos e tão difíceis. Caso contrário, deveríamos ter saído do euro. Mas não podemos aceitar tudo e estou ansiosa para conhecer os pormenores do acordo.”

Outro cidadão grego admite: “A posição da Alemanha não me surpreende. A Alemanha é um país muito rigoroso, que respeita as regras. E a prioridade da Alemanha é proteger o próprio país e é por isso que têm uma economia forte.”

Nikoletta Kritikou, correspondente da euronews em Atenas explica: “Os gregos seguiram com o fôlego suspenso a maratona das negociações de Bruxelas. A maioria acredita que o futuro que os espera vai ser extremamente difícil para o país, tanto mais que as reformas pedidas pela eurozona devem ser aprovadas até quarta-feira.”

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

O mundo está a ficar mais rico, mas quem é que está a beneficiar?

Classificação dos salários médios europeus: qual é a posição do seu país?

Quais são os desafios económicos da segunda volta das eleições em França?