Comissão Europeia quer melhorar as competências dos cidadãos

Comissão Europeia quer melhorar as competências dos cidadãos
De  Patricia Cardoso com Euronews, comunicado de imprensa
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Setenta milhões de cidadãos europeus têm falta de competências de leitura, escrita e matemática.

PUBLICIDADE

Setenta milhões de cidadãos europeus têm falta de competências de leitura, escrita e matemática. São ainda mais os que não têm conhecimentos digitais. É neste contexto que a Comissão Europeia adotou esta sexta-feira a Agenda de Competências para a Europa

40% of Europeans still have low or no #DigitalSkills. New #EUSkillsAgenda to bridge this gap https://t.co/wy2mRHLQo2pic.twitter.com/njCXG3cYbo

— DigitalSingleMarket (@DSMeu) 10 de junho de 2016

O objetivo da Comissão Europeia é melhorar as competências dos cidadãos para fomentar o emprego, a competitividade e a inovação a nível europeu e reduzir o risco de pobreza e de exclusão social.

Um dos pontos da agenda é a Garantia de Competências.

The #SkillsGuarantee will help low-skilled adults progress towards an upper secondary qualification. #EUSkillsAgendahttps://t.co/KJfjRvn1nd

— EU Social (@EU_Social) 10 de junho de 2016

A Comissária Europeia para o Emprego, Assuntos Sociais, Competências e Mobilidade Laboral, Marianne Thyssen, explica que pedem “aos Estados membros um esforço para ajudar pessoas com baixas competências”, por forma a obterem, no futuro, pelo menos uma qualificação de ensino secundário.

Entre as dez ações, o executivo europeu propõe também uma revisão do Quadro Europeu de Qualificações e mais investimento e melhoria do ensino e formação profissional.

O financiamento da “Agenda de Competências” é feito através do Fundo Social Europeu, que conta com um pacote de 26 mil milhões de euros para ensino e formação profissional.

Segundo Marianne Thyssen, “não há, atualmente, o devido respeito em relação às profissões técnicas. São muitas vezes uma segunda escolha e não a primeira”. A Comissária considera que “é preciso mostrar às pessoas que são uma oportunidade para ter um emprego de qualidade e bem pago”.

#DigitalSkills: essential part of new #EUSkillsAgenda. Details by Ansip_eu</a> & <a href="https://twitter.com/GOettingerEU">GoettingerEUhttps://t.co/Xsge0ueRSWpic.twitter.com/GbWT8DCk6o

— DigitalSingleMarket (@DSMeu) 10 de junho de 2016

Desde 2008 foram destruídos entre cinco e dez milhões de empregos na Europa. E a tendência, segundo a CEDEFOP, é para uma destruição de postos de trabalho, devido à digitalização da economia, e o surgimento de empregos que exigem elevadas competências.

In near future ≈ all jobs will require some digital skills. #EUSkillsAgenda will foster them https://t.co/H3NioVuNgWpic.twitter.com/i20dk8VebK

— EU Social (@EU_Social) 10 de junho de 2016

Bruxelas destaca também o fosso existente entre o mundo do ensino e o mercado do trabalho.

Cerca de 40% das empresas tem dificuldades em encontrar pessoas com as boas qualificações e 25% dos jovens considera ter qualificações a mais para o posto que ocupa.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Millennials vão tornar-se a "geração mais rica da história"

Inflação na zona euro desce para 2,6%

Preço do azeite sobe mais de 50% num ano na UE, Portugal registou o maior aumento