EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Comissão Europeia quer melhorar as competências dos cidadãos

Comissão Europeia quer melhorar as competências dos cidadãos
Direitos de autor 
De  Patricia Cardoso com Euronews, comunicado de imprensa
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Setenta milhões de cidadãos europeus têm falta de competências de leitura, escrita e matemática.

PUBLICIDADE

Setenta milhões de cidadãos europeus têm falta de competências de leitura, escrita e matemática. São ainda mais os que não têm conhecimentos digitais. É neste contexto que a Comissão Europeia adotou esta sexta-feira a Agenda de Competências para a Europa

40% of Europeans still have low or no #DigitalSkills. New #EUSkillsAgenda to bridge this gap https://t.co/wy2mRHLQo2pic.twitter.com/njCXG3cYbo

— DigitalSingleMarket (@DSMeu) 10 de junho de 2016

O objetivo da Comissão Europeia é melhorar as competências dos cidadãos para fomentar o emprego, a competitividade e a inovação a nível europeu e reduzir o risco de pobreza e de exclusão social.

Um dos pontos da agenda é a Garantia de Competências.

The #SkillsGuarantee will help low-skilled adults progress towards an upper secondary qualification. #EUSkillsAgendahttps://t.co/KJfjRvn1nd

— EU Social (@EU_Social) 10 de junho de 2016

A Comissária Europeia para o Emprego, Assuntos Sociais, Competências e Mobilidade Laboral, Marianne Thyssen, explica que pedem “aos Estados membros um esforço para ajudar pessoas com baixas competências”, por forma a obterem, no futuro, pelo menos uma qualificação de ensino secundário.

Entre as dez ações, o executivo europeu propõe também uma revisão do Quadro Europeu de Qualificações e mais investimento e melhoria do ensino e formação profissional.

O financiamento da “Agenda de Competências” é feito através do Fundo Social Europeu, que conta com um pacote de 26 mil milhões de euros para ensino e formação profissional.

Segundo Marianne Thyssen, “não há, atualmente, o devido respeito em relação às profissões técnicas. São muitas vezes uma segunda escolha e não a primeira”. A Comissária considera que “é preciso mostrar às pessoas que são uma oportunidade para ter um emprego de qualidade e bem pago”.

#DigitalSkills: essential part of new #EUSkillsAgenda. Details by Ansip_eu</a> & <a href="https://twitter.com/GOettingerEU">GoettingerEUhttps://t.co/Xsge0ueRSWpic.twitter.com/GbWT8DCk6o

— DigitalSingleMarket (@DSMeu) 10 de junho de 2016

Desde 2008 foram destruídos entre cinco e dez milhões de empregos na Europa. E a tendência, segundo a CEDEFOP, é para uma destruição de postos de trabalho, devido à digitalização da economia, e o surgimento de empregos que exigem elevadas competências.

In near future ≈ all jobs will require some digital skills. #EUSkillsAgenda will foster them https://t.co/H3NioVuNgWpic.twitter.com/i20dk8VebK

— EU Social (@EU_Social) 10 de junho de 2016

Bruxelas destaca também o fosso existente entre o mundo do ensino e o mercado do trabalho.

Cerca de 40% das empresas tem dificuldades em encontrar pessoas com as boas qualificações e 25% dos jovens considera ter qualificações a mais para o posto que ocupa.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

BCE mantém as taxas de juro inalteradas, uma vez que o controlo da inflação continua a ser fundamental

O sentimento económico da Alemanha desce mais do que o esperado: A recuperação está em risco?

A reeleição de Trump poderá afetar a economia europeia em 150 mil milhões de euros