EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Verão ajuda Espanha a colocar desemprego abaixo dos 20 por cento

Verão ajuda Espanha a colocar desemprego abaixo dos 20 por cento
Direitos de autor 
De  Euronews com EFE, LUSA
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Dados revelados pelo INE espanhol dão conta de uma diminuição na ordem do quarto de milhão de desempregados no terceiro trimestre deste ano.

PUBLICIDADE

A taxa de desemprego em Espanha no final do terceiro trimestre de 2016 foi de 18,91 por cento. O país registou uma redução de mais de um ponto percentual em relação ao final do segundo trimestre e atinge a percentagem mais baixa dos últimos seis anos, baixando pela primeira vez da barreira dos 20 por cento nesta segunda década do século XXI.

O Instituto Nacional de Estatística (INE) espanhol publicou esta quinta-feira, em Madrid, um relatório sobre a população ativa. O documento indica uma redução do número de desempregados no terceiro trimestre em 253.900 pessoas, totalizando no final de setembro 4.320.800 pessoas sem emprego.

#InfografiasINE Visualiza y compara las tasas de paro, empleo y actividad por sexo y edad, de España y las ccaa https://t.co/DYjsmVopeq#INEpic.twitter.com/jZJvomgwnf

— INE España (@es_INE) 27 de outubro de 2016

A baixa acentuada do desemprego estará, no entanto, relacionada com a sazonalidade e sobretudo com os empregos precários gerados pelo turismo espanhol durante o verão. O que terá também permitido ao emprego aumentar no último trimestre em 226.500 pessoas, alcançando as 18.527.500 pessoas com emprego.

O número de empregados será o mais elevado dos últimos cinco anos, embora a população ativa tenha diminuído em 27.300 pessoas, totalizando agora 22.848.300 pessoas.

De acordo com o mesmo relatório, o número de agregados familiares espanhóis em que todos os membros estão desempregados diminuiu no terceiro trimestre do ano em 55.500, para um total de 1.438.300, dos quais 357.200 eram unipessoais.

O número de famílias em que todos os seus membros ativos estão ocupados aumentou em 160.800, até alcançar os 9.823.000 agregados familiares, dos quais 1.854.300 eram unipessoais.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Alternativa ao lítio: Pode o manganésio substituir as baterias de lítio dos veículos elétricos?

Banco Central Europeu corta taxas de juro em linha com as expetativas do mercado

Riqueza das nações: o fosso cada vez maior entre ricos e pobres na Europa