EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Dólar atinge máximos de 2003

Dólar atinge máximos de 2003
Direitos de autor 
De  Euronews com REUTERS, TELEGRAPH
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O índice do dólar atingiu máximos de quase 14 anos. Vitória de Donald Trump nas presidenciais e a expectativa reforçada de uma subida das taxas de juro da Reserva Federal impulsionam a moeda norte-ame

PUBLICIDADE

O índice do dólar atingiu máximos de quase 14 anos, esta sexta-feira, com a vitória de Donald Trump nas presidenciais e a expectativa reforçada de uma subida das taxas de juro da Reserva Federal já em dezembro a impulsionarem a moeda norte-americana.

O índice que mede o desempenho do dólar em comparação com o conjunto das outras seis principais moedas – euro, libra, iene, dólar canadiano, franco suíço e coroa sueca – atingiu 101,37, o nível mais alto desde abril de 2003.

A presidente do banco central dos Estados Unidos voltou a dar indicações, esta quinta-feira, que uma subida das taxas diretoras pode acontecer já em dezembro.

Segundo os analistas, está a assistir-se a um regresso do investimento aos Estados Unidos, com a perspetiva de uma descida dos impostos no próximo ano e de um vasto programa de obras públicas.

Por outro lado, o euro enfrenta riscos políticos por causa do referendo do próximo mês, em Itália, e também das eleições em França e na Alemanha, em 2017. Os investidores estão também a afastar-se da libra esterlina e do iene reforçando o impulso do dólar.

El dólar en máximos de 14 años al anticipar los mercados un enorme incremento del gasto (y de la inversión) https://t.co/t5U1UQiSTp

— Juan Carlos Barba (@juancarlosburbu) November 16, 2016

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Alternativa ao lítio: Pode o manganésio substituir as baterias de lítio dos veículos elétricos?

Banco Central Europeu corta taxas de juro em linha com as expetativas do mercado

Riqueza das nações: o fosso cada vez maior entre ricos e pobres na Europa