EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

China defende negociações para solucionar eventuais disputas comerciais com os EUA

China defende negociações para solucionar eventuais disputas comerciais com os EUA
Direitos de autor 
De  Euronews com efe, reuters, guardian
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Pequim propõe a Washington resolver eventuais disputas comerciais através de negociações e recorda que os dois países só têm a ganhar com uma relação comercial sólida.

PUBLICIDADE

Na resposta à nomeação de Robert Lighthizer, um crítico de longa data das políticas comerciais da China, para a pasta do Comércio Externo dos Estados Unidos, Pequim propõe a Washington resolver eventuais disputas comerciais através de negociações e recorda que os dois países só têm a ganhar com uma relação comercial sólida.

Segundo o porta-voz do ministério dos Negócios Estrangeiros da China, Geng Shuang, “após anos de desenvolvimento, China e Estados Unidos têm um quadro de interesses comum. No que diz respeito aos problemas que existem nas relações económicas e comerciais, ambas as partes devem procurar soluções na base do respeito mútuo e da igualdade de tratamento”.

Pequim está alarmada com a possibilidade da administração de Donald Trump lançar uma “guerra” comercial à China, como foi sugerido durante a campanha presidencial e os receios de uma imposição de taxas às importações de produtos chineses para os Estados Unidos estão a pressionar negativamente a moeda chinesa. Pelo segundo dia, Pequim vendeu dólares para apoiar a cotação do yuan nos mercados.

China calls US 'a shooting star' in history as Trump picks protectionist trade chief https://t.co/QDikz6bzr3

— The Guardian (@guardian) January 4, 2017

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

O mundo está a ficar mais rico, mas quem é que está a beneficiar?

Classificação dos salários médios europeus: qual é a posição do seu país?

Quais são os desafios económicos da segunda volta das eleições em França?