EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Siemens quer processar empresa russa por alegada instalação de turbinas na Crimeia

Siemens quer processar empresa russa por alegada instalação de turbinas na Crimeia
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Empresa alemã alega que duas turbinas foram removidas da região de Taman, no sul do país.

PUBLICIDADE

Com Reuters

A alemã Siemens disse que pelo menos duas das turbinas de gás que possui foram removidas de território russo e transportadas para a Crimeia, território cuja anexação por parte de Moscovo não é reconhecida pela União Europeia, operação que terá sido levada a cabo “sem o consentimento da empresa.”

A região da Crimeia é atualmente objeto de sanções de Bruxelas que impedem empresas dos Estados membros de fornecerem elementos tecnológicos relacionados com a produção de energia, sanções em voga desde 2014.

A empresa referiu que irá apresentar uma queixa contra os responsáveis pela alegada remoção das turbinas, entregues no quadro de um projeto energético na região russa de Taman, sul da Federação.

O projeto é da responsabilidade da empresa pública russa Technopromexport, que nã tinha reagido oficialmente até ao final da tarde de segunda-feira.

Segundo fontes consultadas pela agência Reuters, as turbinas da Siemens foram, de facto, entregues em território da Península da Crimeia. A Euronews não pôde, no entanto, confirmar a informação.

Energia para a Crimeia, uma promessa de Putin

A produção de energia para consumo foi uma promessa do presidente Vladimir Putin, ainda que não exista uma empresa capaz de fornecer o tipo de turbinas em causa no país.

Segundo o Kremlin, as turbinas agora utilizadas na Península foram fabricadas na cidade de São Petersburgo. No entanto 65% do capital, da empresa em causa é detido pela Siemens.

Siemens há 170 anos na Rússia

A empresa alemã tem importantes investimentos na Rússia – mais de mil milhões de euros na última década.

A Alemanha continua a ser, apesar das tensões entre Bruxelas e Moscovo, um dos parceiros comerciais mais importantes da Rússia.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Diretora financeira da Huawei detida no Canadá

Guerra aberta entre Bombardier e Boeing

Ryanair cancela mais voos a partir de novembro