EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Comissão Europeia aperta Londres devido a fraude chinesa

Comissão Europeia aperta Londres devido a fraude chinesa
Direitos de autor 
De  Francisco Marques
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O caso foi espoletado por uma investigação de um supervisor europeu em 2017, que identificou um esquema ilegal nas importações de têxtil e calçado

PUBLICIDADE

A Comissão Europeia deu dois meses ao Reino Unido para regularizar uma dívida resultante de um alegado esquema fraudulento chinês de que Londres terá sido conivente por omissão.

A poucos meses do "brexit" e numa altura em que Bruxelas acaba de rejeitar a mais recente verso do "plano Chequers" proposto por Theresa May, o bloco ameaça com uma queixa para o Tribunal Europeu de Justiça se Londres falhar a recuperação de um valor estimado em 2,7 milhões de euros de taxas alfandegárias que estarão em falta.

A porta-voz da Comissária Europeia acrescenta que os comissários europeus decidiram dar "mais um passo no procedimento" iniciado em março. 

"O colégio enviou um 'parecer fundamentado' ao Reino Unido por não ter disponibilizado as receitas alfandegárias para o orçamento da União Europeia, como determina a lei europeia", revelou Mina Andreeva.

Este processo resulta de uma investigação realizada no ano passado pelo Gabinete Europeu Antifraude (OLAF, na sigla original), que descobriu um esquema de falsas faturas e incorretos bens declarados de importadores chineses de têxtil e calçado a que Londres terá intencionalmente fechado os olhos.

Num primeiro momento, a abriu o procedimento de incumprimento e agora decidiu agravar o aviso ao Reino Unido, clcando um prazo para regularização do processo.

A data da saída do Reino Unido da Unio Europeia está fixada em 29 de março de 2019.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Elon Musk obtém apoio dos acionistas para um pacote salarial de 52 mil milhões de euros

China já reagiu a decisão de União Europeia sobre tarifas nos carros elétricos

Eleições europeias: será que a onda de extrema-direita vai pressionar o sector das energias renováveis?