EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Apple retira aplicação usada em Hong Kong

Apple retira aplicação usada em Hong Kong
Direitos de autor Zurich, Switzerland January 3, 2019. REUTERS/Arnd Wiegmann/File Photo
Direitos de autor Zurich, Switzerland January 3, 2019. REUTERS/Arnd Wiegmann/File Photo
De  euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A Apple removeu da App Store, na China, uma aplicação utilizadas pelos manifestantes de Hong Kong para seguirem a Polícia. O Governo de Pequim terá pressionado a gigante tecnológica, afirmando que a aplicação terá sido usada para emboscar a polícia.

PUBLICIDADE

A Apple retirou a aplicação HKMap Live da loja virtual após críticas do Governo de Pequim. As autoridades chinesas afirmaram que a aplicação permitia aos ativistas de Hong Kong seguir os movimentos da polícia.

"Hoje em dia, a maioria das pessoas de Hong Kong tem medo da polícia. Então, mesmo eu, só quero encontrar uma maneira de não ver nenhum polícia, especialmente quando estou vestida de negro. Então, não admira que considere a aplicação muito útil. Por isso, penso que a decisão de remover a aplicação não é aceitável", afirmou uma cidadã de Hong Kong.

A gigante tecnológica norte-americana justificou-se dizendo que segundo o gabinete de cibersegurança e crime tecnológico de Hong Kong, a HKMap.Live "foi usada para atingir e emboscar a polícia, para ameaçar a segurança pública".

Uma informação corroborada pelo porta-voz do Ministério chinês dos Negócios Estrangeiros, Geng Shuang.

"Tenho de repetir, uma vez mais, que os recentes atos criminosos, extremos e violentos ocorridos em Hong Kong puseram em causa o Estado de direito e a ordem social de Hong Kong, ameaçaram a segurança dos cidadãos e dos seus bens, prejudicaram a prosperidade e a estabilidade de Hong Kong".

Hong Kong atravessa a maior crise política desde que o território passou para a administração chinesa, em 1997.

Nos últimos meses, têm-se multiplicando os protestos contra a erosão das liberdades e a crescente interferência de Pequim.

A violência e os confrontos tomaram conta das ruas de Hong Kong.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Produtores de champanhe votam a favor de colheitas mais pequenas, com vendas em queda

Como a falha global da Microsoft está a afetar as empresas em todo o mundo

Eleições Francesas: vitória da esquerda provoca queda do euro