EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Grécia diz adeus ao FMI... em Atenas!

Grécia diz adeus ao FMI... em Atenas!
Direitos de autor APCliff Owen
Direitos de autor AP
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Instituição fecha delegação na capital grega, onde esteve representado desde 2010

PUBLICIDADE

O Fundo Monetário Internacional vai encerrar, nos próximos meses, a delegação que tem em Atenas.

A instituição estava na capital grega desde 2010.

O anúncio foi feito pelo primeiro-ministro helénico Kyriakos Mitsotakis.

"Há quase dez anos, que os tecnocratas do FMI estão alojados num edifício, num escritório sem sinalética, no coração de Atenas. Foi aqui que foram escritos os relatórios 'quentes' para a economia grega. Os relatórios sobre a Grécia continuarão a ser escritos no futuro, mas sem contacto direto com a burocracia grega. Serão elaborados no contexto das avaliações gerais do FMI sobre todos os outros países", relata a jornalista da euronews, Symela Touchtidou.

A Grécia esteve uma década sob três programas de ajuda financeira, num resgate total de 290 mil milhões de euros. A convivência entre as autoridades gregas e o FMI nem sempre foi fácil.

O professor de política económica, Napoleon Maravegias, conta que "o FMI veio para a Grécia para oferecer uma maior especialização tecnocrática, algo que a União Europeia não tinha na época. Eles pediram um "corte de cabelo" da dívida, mas isso não foi aprovado (pelos europeus). O FMI insistiu, também, num ajuste fiscal brusco, usando equações matemáticas que se mostraram erradas, causando uma queda do PIB do país".

Num dos últimos relatórios sobre a Grécia, os técnicos do FMI elogiaram o Governo de Atenas, afirmando que está a dar os passos necessários para melhorar a economia grega.

O encerramento das delegações locais do FMI é uma prática comum após o término de um programa de ajuda financeira.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Empresários gregos temem o Brexit

Microsoft compromete-se a investir 4,3 mil milhões de dólares em França

Perspetivas económicas da OCDE: Crescimento global estável esperado para 2024 e 2025