Bolsas seguem 'nervosas' com surto do coronavírus

Bolsas seguem 'nervosas' com surto do coronavírus
Direitos de autor screenshot via afp
De  João Paulo Godinho
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Principais mercados europeus registaram novas quebras esta terça-feira, após um dia muito negativo na véspera.

PUBLICIDADE

As principais bolsas europeias voltaram hoje a demonstrar o seu 'nervosismo'  face ao surto do coronavírus. Depois das quedas acentuadas de segunda-feira, novas descidas nesta terça-feira.

Em Paris, o índice CAC40 caiu 1,94%, o DAX de Frankfurt baixou 1,88 e nem o PSI20 da Bolsa de Lisboa escapou à toada geral a nível europeu, ao perder 2,28%.

O impacto económico do novo vírus começa a ser assumido a nível político. Foi o caso do ministro francês da economia e das finanças, Bruno Le Maire, que admitiu efeitos negativos sobre o crescimento económico internacional.

"O coronavírus está a afetar os mercados bolsistas internacionais. A nossa estimativa é de que o coronavírus vai ter um impacto no crescimento mundial e no crescimento europeu. A epidemia de covid-19 veio mudar a realidade a nível global", afirmou.

Um dos setores que mais está a sofrer com a expansão internacional do surto é o mercado dos bens de luxo. De acordo com um estudo realizado pela associação de empresas de luxo italianas, em conjunto com a Boston Consulting Group, o setor pode perder entre 30 a 40 mil milhões de euros em 2020.

A pesar nos números estão o elevado número de lojas fechadas na China, bem como as restrições na circulação de turistas. O receio também se faz já sentir nos Estados Unidos da América, onde Wall Street viveu na segunda-feira o pior dia dos últimos dois anos. Um cenário de queda na bolsa norte-americana que continuou esta terça-feira com novas perdas.

Outras fontes • AFP / Lusa

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Covid-19 afunda bolsas europeias

Diretor executivo da Web Summit, Paddy Cosgrave, confirma regresso após comentários sobre Israel

Crise de emprego na UE: Candidatos não têm as competências adequadas