EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

França diz estar preparada para crise económica, Itália quer solução comum

França diz estar preparada para crise económica, Itália quer solução comum
Direitos de autor FRANCK FIFE/AFP or licensors
Direitos de autor FRANCK FIFE/AFP or licensors
De  Bruno Sousa
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Economia europeia enfrenta desafio sem precedentes, no setor automóvel as vendas no Velho Continente caíram mais de 55% no mês de março

PUBLICIDADE

A pandemia de covid-19 terá um custo astronómico na economia europeia e cada país tem enfrentado o desafio à sua maneira. Em França, o governo de Emmanuel Macron adotou o desemprego parcial para evitar despedimentos em massa e Bruno Le Maire acredita que isso prepara o país para o futuro.

O ministro das Finanças de França refere que o custo da medida é extremamente alto (mais de 20 mil milhões de euros para as perto de 9 milhões de pessoas em desemprego parcial) mas que na sua ótica se trata de um investimento: "Um investimento na recuperação, uma vez que é o desemprego parcial que nos irá permitir retomar rapidamente a atividade".

Já em Itália, acreditam que o futuro passa por Bruxelas, como disse à euronews o ministro para os Assuntos Europeus, Vincenzo Amendola:

"Temos o fundo de recuperação, esta nova ferramenta que pode resultar numa política fiscal comum para os 27. Juntos, com a Comissão Europeia e com o Banco Central Europeu, podemos coordenar-nos não só para combater a covid-19 mas para dar um estímulo à economia."

Um estímulo essencial, tendo em conta os indicadores existentes. No setor automóvel foram publicados os dados relativos às vendas no primeiro trimestre. No mês de março o número de novas matrículas caiu mais de 55% na Europa relativamente ao mesmo mês do ano passado. A Itália foi o país mais afetado, com uma quebra superior a 85%.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Lyon prepara desconfinamento da cidade

BMW, Jaguar e Volkswagen criticadas por importarem peças e automóveis chineses proibidos

Microsoft compromete-se a investir 4,3 mil milhões de dólares em França