EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Twitter cada vez mais distante de Facebook

Jack Dorsey, fundador do Twitter
Jack Dorsey, fundador do Twitter Direitos de autor Francois Mori/The Associated Press. All rights reserved.
Direitos de autor Francois Mori/The Associated Press. All rights reserved.
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Por um lado, Twitter recebe apoio de comissários europeus no conflito com Trump. Por outro, aumentam as críticas ao Facebook no interior da própria empresa.

PUBLICIDADE

O Twitter acabou de receber um impulso de peso no braço de ferro que opõe a rede social a Donald Trump. Para grande indignação do presidente americano, aquela que era a sua plataforma de comunicação favorita passou a sinalizar as mensagens com apologias da violência ou informações duvidosas.

Agora, o comissário europeu para o Mercado Interno, Thierry Breton, escreveu um tweet a revelar que falou com o fundador da rede, Jack Dorsey, e a congratular-se "pelo contributo feito para garantir o respeito destas plataformas pela abordagem europeia e, ao mesmo tempo, inovar".

Noutro texto, Breton pergunta "que papel podem estas redes ter para evitar campanhas de desinformação" e "como evitar a disseminação online de discursos de ódio".

Já a vice-presidente da Comissão Europeia, Věra Jourová, veio acrescentar que os políticos devem responder "às críticas com factos, e não com ameaças e ataques".

O debate é mais intenso à medida que se sabe que vários trabalhadores do Facebook desencadearam um protesto cada vez mais ruidoso contra o próprio fundador da empresa. Mark Zuckerberg é acusado de continuar a permitir que Donald Trump publique textos incendiários na sua rede. E enfrenta várias promessas de funcionários de que a luta pela mudança vai continuar.

Também três conhecidos grupos de direitos civis americanos (Color of Change, The Leadership Conference on Civil and Human Rights e NAACP - Legal Defense and Educational Fund) apontam baterias a Zuckerberg. Numa declaração conjunta consideraram que o empresário recusa entender que "o Facebook está a veicular os apelos à violência de Trump", estando "a criar um precedente muito perigoso".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Fundadores de redes sociais sob escrutínio

BMW, Jaguar e Volkswagen criticadas por importarem peças e automóveis chineses proibidos

Microsoft compromete-se a investir 4,3 mil milhões de dólares em França