EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Pandemia reforça desigualdade salarial na UE

Pandemia reforça desigualdade salarial na UE
Direitos de autor AFP
Direitos de autor AFP
De  euronews
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Pandemia aumentou a desigualdade salarial no mercado de trabalho da UE.

PUBLICIDADE

A pandemia aumentou a desigualdade salarial no mercado de trabalho da UE. O número de empregos altamente qualificados como cientistas, professores e médicos aumentou, mas o emprego menos qualificado diminuiu drasticamente. Segundo as últimas conclusões, a pandemia está a contribuir para o aumento da desigualdade nos salários.

Enquanto isso, segundo os últimos dados oficiais, o emprego qualificado aumentou quase 5% em comparação com o mesmo período do ano passado. Estes profissionais podem trabalhar em várias áreas, incluindo ciência e engenharia, saúde, ensino ou tecnologias da informação e da comunicação.

Já as ocupações consideradas menos qualificadas envolvem o desempenho de tarefas rotineiras que podem exigir a utilização de ferramentas manuais e um esforço físico considerável, explicou o Eurostat. Os números confirmam que, apesar do forte apoio do governo, a pandemia e as restrições estão a atingir os empregos com salários mais baixos e a juventude.

O emprego jovem foi o mais atingido e caiu 2 pontos percentuais - o que levou a taxa de emprego dos 15 aos 24 anos para os 31,3% no terceiro trimestre. No geral, 72,4% dos cidadãos da União Europeia em idade ativa estavam empregados no terceiro trimestre, em comparação com os 73,1% no mesmo período do ano passado.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Pandemia agravou situações de desigualdade na Europa

Elon Musk obtém apoio dos acionistas para um pacote salarial de 52 mil milhões de euros

China já reagiu a decisão de União Europeia sobre tarifas nos carros elétricos