EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

FMI revê em alta crescimento da economia mundial em 2021

FMI revê em alta crescimento da economia mundial em 2021
Direitos de autor Canva
Direitos de autor Canva
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Fundo Monetário Internacional prevê crescimento de 6% da economia mundial em 2021, e de 4,4% em 2022.

PUBLICIDADE

O Fundo Monetário Internacional estima que a recuperação da economia mundial será mais forte este ano e no próximo.

As novas previsões apontam para um crescimento de 6%, para 2021, e 4,4% para 2022.

Em relação à Zona Euro, o FMI aumentou ligeiramente a previsão de crescimento para os 4,4% este ano. Uma previsão 0,2 pontos percentuais superior à publicada em janeiro.

No entanto, a taxa de crescimento prevista para a zona euro em 2021 não compensa as perdas de 2020. Como é que as políticas fiscal e monetária podem ajudar, se se mantiver o ritmo da vacinação?

Em entrevista à euronews, a Diretora Adjunta do Departamento de Investigação do FMI, Petya Koeva Brooks, afirma que:

"Esperamos que o nível pré-crise seja alcançado para toda a zona do euro na primeira metade de 2022, com algumas diferenças entre países. Alemanha e França mais cedo, e depois Espanha e os outros só em 2022. É claro que o ritmo da vacinação é o que pode fazer a diferença."

As economias souberam ser flexíveis e adaptar-se à nova realidade, em especial no segundo semestre do ano passado. Como é que a crise provocada pela Covid-19 influenciou a capacidade de adaptação das empresas para enfrentar crises futuras?

"É realmente difícil falar de "lado bom" quando estamos no meio da pandemia, mas penso que o que vimos é flexibilidade e adaptação, que francamente não estávamos à espera. Assim, quando estávamos a fazer a nossa previsão, há 6 meses, e a fazer projeções, digamos para o último trimestre do ano passado, quando houve a nova onda de confinamentos, esperávamos um impacto muito maior. As pessoas acabaram por aprender diferentes maneiras de trabalhar, apesar da crise sanitária", conclui Brooks.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

China já reagiu a decisão de União Europeia sobre tarifas nos carros elétricos

Eleições europeias: será que a onda de extrema-direita vai pressionar o sector das energias renováveis?

Um dos maiores operadores de viagens da Europa entra em processo de insolvência