EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Japão cede gás natural à Europa

Japão cede gás natural à Europa
Direitos de autor Koji Sasahara/AP
Direitos de autor Koji Sasahara/AP
De  Teresa Bizarro com Agências
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Governo de Tóquio escolhe lado da história perante a evolução da tensão entre a Rússia e a Ucrânia

PUBLICIDADE

Japão contribui para a reserva estratégica de energia na Europa. O governo de Tóquio anunciou esta quarta-feira que vai enviar gás natural liquefeito para o velho continente. O objetivo é prevenir uma rutura no abastecimento, à medida que as tensões entre a Rússia e a Ucrânia aumentam.

"O Japão assegurou até agora gás suficiente para satisfazer a procura interna, embora não haja abundância. Enquanto as situações internacionais evoluem, como na Ucrânia, o Japão precisa de alinhar-se com os países do G7, especialmente com aqueles com os quais partilha valores," declarou Koichi Hagiuda, Ministro do Comércio do Japão.

O Japão é um dos maiores importadores mundiais de gás natural. A reserva que se dispõe a partilhar tem mais de um milhão e seiscentas mil toneladas do combustível, muito pouco vindo da Rússia, ao contrário da Europa que tem uma dependência pública do gás natural russo.

40% das importações de gás natural da União Europeia e quase um terço dos barris de petróleo bruto importados provêm da Rússia.

A decisão do Japão vem na sequência dos apelos feitos pelos representantes diplomáticos dos Estados Unidos e da União Europeia. Reunidos no início da semana Antony Blinken e Josep Borrell insistiram na necessidade de retirar o que reconhecem ser uma vantagem para Moscovo.

"Actualmente, o nosso contexto é caracterizado pela turbulência geopolítica no contexto da Rússia e da crise da Crimeia. As questões energéticas são centrais para esta crise, porque a Rússia não hesita em utilizar estes significativos fornecimentos de energia à Europa como uma vantagem para ganhos geopolíticos," afirmou Josep Borrell, Alto Representante da União Europeia para os Negócios Estrangeiros e a Política de Segurança.

Também na segunda-feira, depois do primeiro encontro com o chanceler alemão em Washington, o presidente dos Estados Unidos disse esperar que o gasoduto Nordstream 2 fosse encerrado no caso de uma invasão russa à Ucrânia. As palavras de Joe Biden não encontraram um eco definitivo em Olaf Scholz.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Elon Musk obtém apoio dos acionistas para um pacote salarial de 52 mil milhões de euros

China já reagiu a decisão de União Europeia sobre tarifas nos carros elétricos

Eleições europeias: será que a onda de extrema-direita vai pressionar o sector das energias renováveis?