EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Japão introduz espuma antifogos revolucionária

Japão introduz espuma antifogos revolucionária
Direitos de autor euronews
Direitos de autor euronews
De  Damon Embling
Partilhe esta notícia
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O novo produto, à base de sabão, é mais eficaz e muito mais ecológico que a espuma tradicional.

PUBLICIDADE

Os incêndios florestais assolam muitas partes do mundo. Com previsões de tempo mais quente e mais seco, a situação pode piorar no futuro.

A cidade japonesa de Kitakyushu teve 10 fogos florestais só no ano passado.

Foi aqui que o serviço de bombeiros surgiu com a espuma de combate a incêndios. Foi originalmente concebida para reduzir a água necessária para apagar os incêndios em prédios, depois do devastador terramoto de Kobe de 1995.

Masaaki Sakamoto gerente do Departamento de Gestão de Incêndios e Desastres de Kitakyushu: "Durante este terramoto, houve muitos incêndios. Na altura, as bocas-de-incêndio e as cisternas foram destruídas pelo terramoto e não pudemos armazenar água", diz.

Em parceria com uma universidade municipal e uma empresa de sabão, o serviço de bombeiros aperfeiçoou a espuma, criada através da mistura de uma solução, feita de sabão de origem natural, em água. Não contém químicos, é biodegradável e funciona através de gotículas de água.

"Quando o agente extintor é misturado, a gotícula de água não se consegue formar e torna-se aderente. Portanto, o produto é bem absorvido nas aberturas dos tecidos ou da madeira", diz Sakamoto.

O sucesso da espuma, feita numa fábrica de sabão da cidade, está agora a concentrar as mentes dos investigadores na forma como poderia ser utilizada em incêndios florestais.

Como a investigação da Universidade de Kitakyushu mostra, é até 266 vezes menos prejudicial do que outras versões sintéticas.

Takayoshi Kawahara é director do Departamento de Investigação e Desenvolvimento da Shabondama Soap: "Há dados que mostram que o consumo de água pode ser reduzido para menos de uma décima sétima parte. No que toca ao desempenho ambiental, é muito menos tóxico para os peixes e outra vida aquática do que os agentes extintores sintéticos. Além disso, como é 100% composta por microrganismos ambientais, não há resíduos no ambiente", diz.

O presidente da empresa fala sobre a expansão internacional: "Há conferências académicas internacionais sobre incêndios florestais em todo o mundo. Participámos com professores universitários e pessoal do corpo de bombeiros da cidade de Kitakyushu. Várias pessoas interessaram-se pelo nosso agente extintor amigo do ambiente", conta Hayato Morita.

Aplicação prática na Indonésia

A espuma fez o seu caminho até aqui, até à ilha de Bornéu, na Indonésia. Lar de densas florestas e cursos de água, os incêndios em turfa são aqui um problema recorrente.

Os investigadores universitários indonésios têm vindo a experimentar a espuma numa série de experiências, incluindo num teste de incêndio. Dez meses mais tarde, descobriram que a vegetação tinha voltado a crescer.

"Pelas minhas experiências anteriores, apagar fogos apenas com água é muito difícil. Mas ao usar este sabão, em pouco tempo obtemos muito bons resultados", diz Kitso Kusin, coordenador de campo do laboratório de Palang Karaya.

Quando a turfa se incendeia, as brasas podem continuar a arder no subsolo durante muito tempo, libertando gases nocivos. A espuma japonesa à base de sabão penetra no solo, expelindo-os.

Algo que foi muito útil em 2019, durante um verdadeiro incêndio florestal: "Depois de apagarmos o fogo, no dia seguinte estava de novo aceso. Felizmente, nessa altura, sobrou um stock de sabão Shabondama dos testes de campo anteriores que usávamos para apagar o fogo. Apesar de já não termos muito sabão, sentimos que os resultados foram muito eficazes na extinção dos restantes fogos", conta Kitso Kusin.

Kitakyushu planeia agora testar a espuma também em Chiang Mai, na Tailândia. Mais uma vez, com base na colaboração universidade-indústria e ajudando a reduzir as emissões globais de CO2.

"Esperamos que, com a utilização deste extintor de espuma, possamos controlar um pouco as emissões de CO2 e contribuir grandemente para as medidas relativas às alterações climáticas", conclui Yuichi Arita, diretor do Gabinete para o Ambiente do município de Kitakyushu.

Partilhe esta notícia

Notícias relacionadas

Incêndios florestais continuam a fustigar a Europa ocidental.