EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Análise: O dilema do BCE sobre taxas de juro face à queda da atividade económica

O Banco Central Europeu numa fotografia junto ao rio Meno, em Frankfurt, Alemanha.
O Banco Central Europeu numa fotografia junto ao rio Meno, em Frankfurt, Alemanha. Direitos de autor Michael Probst/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
Direitos de autor Michael Probst/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
De  Mared Gwyn Jones
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Com as empresas da zona euro a enfrentarem quedas acentuadas na produção e nas novas encomendas, os especialistas acreditam que o Banco Central Europeu (BCE) enfrenta um desafio complexo ao decidir se deve continuar o seu ciclo de subidas das taxas de juro em setembro.

PUBLICIDADE

O Índice de Gestores de Compras (PMI) de agosto, publicado na quarta-feira, colocou a atividade empresarial do bloco no seu nível mais baixo desde 2020, impulsionado por uma forte contração no sector dos serviços e um declínio contínuo na indústria transformadora. A Alemanha, potência económica, é a mais atingida.

Esta situação coloca um dilema para o BCE, que deverá dar o próximo passo em matéria de taxas de juro em setembro.

O banco central tem vindo a aumentar a taxa de juro dos empréstimos numa tentativa de travar a subida da inflação e controlar os preços no consumidor. Em julho, a sua nona subida consecutiva de 25 pontos de base levou a taxa de depósito para 3,75%, um recorde comum registado pela última vez em 2000.

Embora a inflação da zona euro esteja a dar sinais de abrandamento, tendo descido para 5,3% em julho, mantém-se muito acima do objetivo de médio prazo do BCE de 2%. A inflação subjacente - sem os preços da energia e dos produtos alimentares, que são considerados mais voláteis - também continua a ser teimosamente elevada, situando-se nos 5,5%.

A presidente do BCE, Christine Lagarde, tem afirmado, repetidamente, que as taxas de juro continuarão a subir até que as pressões sobre os preços no consumidor diminuam, mas os peritos económicos acreditam que as perspectivas negativas do PMI e outros sinais de abrandamento do crescimento económico podem dividir as opiniões no Conselho do BCE, o principal órgão de decisão do BCE.

Um equilíbrio de riscos

"O BCE vai estar mais preocupado com as atuais taxas de inflação do que com o declínio da atividade económica, que não foi de todo inesperado", disse Stefan Gerlach, investigador do Centro de Investigação de Política Económica (CEPR) e economista-chefe do EFG Bank, à Euronews. 

"Suspeito que alguns membros do Conselho do BCE vão querer manter-se cautelosos, aumentando ainda mais as taxas de juro, enquanto outros vão querer fazer uma pausa nas subidas para aliviar a pressão sobre a economia", disse.

"O equilíbrio dos riscos está certamente a começar a mudar. Alguns governadores do BCE estarão preocupados com o facto de a maior restritividade da política monetária poder empurrar a zona euro para uma recessão no próximo ano", acrescentou Gerlach.

Um risco sobre o qual os especialistas também discordam é se uma pausa na subida das taxas seria apenas isso, uma pausa, ou se poria um fim definitivo ao último ano de aperto da política monetária.

"O risco é elevado de que qualquer pausa signifique o fim do ciclo de subida das taxas", explicou Carsten Brzeski, diretor global de Estudos Macro e economista-chefe para a Zona Euro do banco ING. "É por isso que os falcões do BCE continuarão provavelmente a insistir numa subida das taxas em setembro, que seria então a última subida".

"Atualmente, a probabilidade é de 50-50", disse.

Hesitação do BCE é dispendiosa

Brzeski também acredita que o impacto nas empresas mostra que o BCE "tem sido demasiado benigno quanto ao impacto negativo das suas próprias subidas de taxas na economia".

Com um desfasamento entre a implementação da política monetária e o seu impacto nos dados económicos, outros especialistas acreditam que a abordagem baseada em dados do BCE é imperfeita.

"O BCE diz que as suas decisões sobre o nível e a duração das restrições se baseiam numa abordagem puramente dependente dos dados. Mas os dados dão-nos uma imagem do presente e do passado - não nos dizem muito sobre a forma de conceber a política para o futuro", afirmou Maria Demertzis, membro sénior do Bruegel.

"O BCE continua a colocar demasiada ênfase no passado como forma de compreender o futuro e, na minha opinião, isso significa que as decisões chegam tarde", refere a analista.

PUBLICIDADE

Demertzis acredita que o BCE deve mudar de direção e fazer uma pausa na subida das taxas em setembro.

"Se alguma coisa, já hesitou demasiado antes de fazer uma pausa. Era demasiado tarde para começar a aumentar as taxas de juro em setembro e agora arrisca-se a cometer o mesmo erro ao sair tarde", disse.

Mas tudo o que Lagarde disser após o anúncio da taxa de juro será igualmente crítico e acompanhado de perto.

"O que vai acontecer a seguir permanece altamente incerto", disse Gerlach, "mas os sinais nas comunicações da Sra. Lagarde, que no passado criaram incerteza, também serão críticos à medida que avançamos".

PUBLICIDADE

A Presidente do BCE, Christine Lagarde, foi criticada no passado por gafes de comunicação que geraram incerteza nos mercados. As suas mensagens no outono serão cruciais, especialmente se a instituição sediada em Frankfurt enveredar por uma nova direção, como muitos esperam.

A próxima reunião do BCE realizar-se-á a 14 de setembro.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Revisão em baixa do crescimento económico na União Europeia

BCE deve continuar a subir as taxas de juro

Porque é que os bancos centrais aumentam as taxas de juro para conter a inflação?