EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Porque é que os europeus estão a pagar mais pelos iPhones?

Um comprador compara dois modelos de iPhone 15 no primeiro dia de vendas numa Apple Store em Los Angeles, sexta-feira, 22 de setembro de 2023.
Um comprador compara dois modelos de iPhone 15 no primeiro dia de vendas numa Apple Store em Los Angeles, sexta-feira, 22 de setembro de 2023. Direitos de autor AP Photo/Jae C. Hong
Direitos de autor AP Photo/Jae C. Hong
De  Eleanor Butler
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

A Apple é conhecida por fabricar produtos com preços elevados e a nova gama de telemóveis não é diferente. O recém-lançado iPhone 15 Pro Max está a ser vendido por uns impressionantes 1199 dólares nos EUA, mas como é que os preços diferem na Europa?

PUBLICIDADE

Se estiver na zona euro e quiser comprar o iPhone topo de gama, vai custar-lhe mais do que aos compradores do outro lado do oceano.

Convertido em euros, o preço apresentado no website da Apple nos EUA começa em 1131.74 euros para o iPhone 15 Pro Max, que foi posto à venda no fim de semana passado.

Trata-se de um aumento de preço de cerca de 9% em relação à versão do ano passado, mas em comparação com os consumidores europeus, os americanos estão a conseguir uma pechincha.

O preço nas lojas europeias varia consoante os países, mas é normalmente muito mais elevado do que nos EUA. Em França, o iPhone 15 Pro Max começa em 1.479 euros, na Alemanha custa 1.449 euros e em Itália os consumidores pagam 1.489 euros.

No que diz respeito aos telemóveis mais baratos da Apple, também se nota um aumento de preço. Nos EUA, o iPhone 15 básico é vendido por um equivalente a 754.18 euros. Na Europa, o preço é de 969 euros em França, 949 euros na Alemanha e 979 euros em Itália.

Mas antes de reservar as suas próximas férias na América, é importante analisar estes números com mais atenção.

Uma das principais razões para os preços mais elevados é o facto de o IVA estar incluído nos valores europeus, enquanto nos EUA são adicionadas taxas suplementares após a compra.

As taxas de imposto dependem do estado em que se encontra, mas geralmente situam-se entre 2,9% e 7,25%. Se quisesse comprar um iPhone 15 Pro Max em Washington, DC, onde o imposto sobre as vendas é de 6%, ser-lhe-ia cobrado um suplemento de 71,94 dólares (67,90 euros) no ato da compra.

No caso de Los Angeles, onde o imposto sobre as vendas é particularmente elevado, ser-lhe-ia cobrado um suplemento de 113,91 dólares (107,52 euros).

Assim, um cliente em Los Angeles poupará 239,74 euros ao comprar o telemóvel mais caro da Apple, em comparação com um cliente em França, na União Europeia (UE).

E a diferença de preços entre os EUA e a UE não é um fenómeno exclusivo da nova geração de produtos da Apple.

Quando o iPhone X foi lançado em 2017, os utilizadores do Twitter brincaram que seria mais barato voar para os EUA e comprar o dispositivo do que comprá-lo na Europa.

Um utilizador do Twitter reage ao preço do iPhone X, 2017.

Mas, embora esta possa ser uma boa desculpa para umas férias, a realidade é um pouco mais complicada.

Isto deve-se ao facto de ser legalmente obrigado a pagar direitos aduaneiros quando reentra na UE com artigos valiosos.

Se viajar num avião ou num navio, tem de declarar as mercadorias que excedam 430 euros e, para os outros meios de transporte, esse limite é de 300 euros. Se regressar de avião dos EUA para França, os direitos aduaneiros sobre o iPhone 15 Pro Max custar-lhe-ão mais de 200 euros. Juntamente com os custos adicionais de deslocação, não pouparia dinheiro.

Assim, em última análise, a razão para os preços mais elevados da Apple não é totalmente clara, mas também não há forma de os europeus os evitarem.

Ao abordar a questão em 2016, a empresa afirmou que define os preços dos produtos internacionais com base numa série de fatores, tais como "taxas de câmbio, leis de importação locais, práticas comerciais, impostos e o custo de fazer negócios."

"Estes fatores variam de região para região e ao longo do tempo, pelo que os preços internacionais nem sempre são comparáveis aos preços de retalho sugeridos nos EUA", afirmou a Apple.

PUBLICIDADE

No entanto, mesmo que a Apple esteja a obrigar os consumidores a pagar mais para cobrir os custos operacionais adicionais, isso não parece ter prejudicado o sucesso da empresa.

Os iPhones representam cerca de um quarto das vendas de smartphones na UE, sendo apenas ultrapassados pelos modelos da Samsung.

Como a inflação continua elevada na Europa, resta saber se a base de consumidores notoriamente fiéis da Apple reagirá bem à nova gama de produtos.

A nível mundial, a empresa de investimentos Wedbush informou que as pré-encomendas da gama iPhone 15 foram 10% a 12% superiores ao previsto, o que poderá levar à escassez do iPhone 15 Pro Max.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Alternativa ao lítio: Pode o manganésio substituir as baterias de lítio dos veículos elétricos?

Banco Central Europeu corta taxas de juro em linha com as expetativas do mercado

Riqueza das nações: o fosso cada vez maior entre ricos e pobres na Europa