FMI e Banco Mundial reunidos em Marraquexe

Exterior do evento em Marraquexe
Exterior do evento em Marraquexe Direitos de autor Mosa'ab Elshamy/Copyright 2023 The AP. All rights reserved.
Direitos de autor Mosa'ab Elshamy/Copyright 2023 The AP. All rights reserved.
De  Apostolos Staikos
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

É a segunda vez que uma cidade africana acolhe este evento, depois de Nairóbi, em 1973

PUBLICIDADE

Um mês após o violento sismo que abalou Marrocos, a cidade de Marraquexe recebe a reunião anual das duas principais instituições económicas mundiais, a primeira vez no continente africano em meio século.

O jornalista da Euronews Apostolos Staikos relata o seguinte:

"Marraquexe acolhe a reunião anual do Fundo Monetário Internacional e do Banco Mundial. É a segunda vez que um país africano acolhe este evento, que deverá trazer mais de 10 mil pessoas a Marrocos. O primeiro teve lugar em Nairóbi, em 1973.

Após o sismo devastador do início de setembro, houve reflexões e debates sobre uma possível mudança de local. No entanto, as autoridades marroquinas pediram às instituições que mostrassem confiança no país, o que veio a suceder.

As reuniões anuais são uma oportunidade para a comunidade internacional apoiar Marrocos e o seu povo, que tem demonstrado resiliência face à tragédia. O encontro reúne banqueiros centrais, ministros das Finanças e do Desenvolvimento, executivos do setor privado, sociedade civil, meios de comunicação social e académicos para discutir questões de interesse global, incluindo as perspetivas económicas mundiais, a estabilidade financeira global, a erradicação da pobreza, o crescimento económico inclusivo, a criação de emprego e as alterações climáticas.

No entanto, para além das análises e discussões económicas, os participantes têm a oportunidade de desfrutar da hospitalidade marroquina. Afinal, o turismo é uma importante fonte de rendimento para o país e contribuirá decisivamente para o esforço de reconstrução. E o futuro traz mais desafios, uma vez que Marrocos será coanfitrião do Campeonato do Mundo de Futebol de 2030".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

O dilema da Defesa da Europa: quanto dinheiro é preciso gastar?

Diretor executivo da Web Summit, Paddy Cosgrave, confirma regresso após comentários sobre Israel

Crise de emprego na UE: Candidatos não têm as competências adequadas