EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Microsoft tem luz verde para comprar Activision por 65 mil milhões de euros

O logótipo da Microsoft e uma cena de "Call of Duty - Modern Warfare", da Activision, são mostrados nesta fotografia, em Nova Iorque, a 21 de junho de 2023.
O logótipo da Microsoft e uma cena de "Call of Duty - Modern Warfare", da Activision, são mostrados nesta fotografia, em Nova Iorque, a 21 de junho de 2023. Direitos de autor Richard Drew/AP
Direitos de autor Richard Drew/AP
De  AP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
Artigo publicado originalmente em inglês

Gigante norte-americana reforça-se no setor dos videojogos, com a compra da produtora da série de jogos "Call of Duty".

PUBLICIDADE

A compra da Activision Blizzard pela Microsoft obteve na sexta-feira a aprovação final do organismo britânico responsável pela concorrência, que reverteu a decisão anterior de bloquear o negócio de 69 mil milhões de dólares (65 mil milhões de euros) e remove um último obstáculo a uma das maiores transações tecnológicas da história.

A bênção da Autoridade da Concorrência e dos Mercados (CMA) era esperada depois de ter dado uma aprovação preliminar, no mês passado, a uma proposta renovada da Microsoft destinada a responder às preocupações de que o negócio prejudicaria a concorrência e prejudicaria os jogadores.

Esta decisão assinala uma vitória certa na tentativa do fabricante da Xbox de adquirir a Activision, fabricante da popular série de jogos "Call of Duty".

As empresas tinham concordado em prolongar o prazo original de meados de julho até 18 de outubro para ultrapassar as objeções da autoridade reguladora britânica. A aprovação também ajuda a Microsoft a evitar pagar à Activision uma multa de 4,5 mil milhões de dólares se o negócio não for concluído.

"O novo acordo impedirá a Microsoft de bloquear a concorrência no sector dos jogos em nuvem, numa altura em que este mercado está a descolar, preservando preços e serviços competitivos para os clientes de jogos em nuvem do Reino Unido", afirmou a autoridade reguladora num comunicado na sexta-feira.

O presidente da Microsoft, Brad Smith, disse que a empresa estava grata pela "revisão e decisão minuciosas".

"Ultrapassámos agora o último obstáculo regulamentar para fechar esta aquisição, que acreditamos que irá beneficiar os jogadores e a indústria do jogo em todo o mundo", afirmou.

O CEO da Activision, Bobby Kotick, também saudou a notícia: "Estamos ansiosos por fazer parte da equipa Xbox".

Missão cumprida?

Desde que o acordo foi anunciado em janeiro de 2022, a Microsoft obteve aprovações das autoridades da concorrência em mais de 40 países. Crucialmente, obteve o aval da União Europeia a 27, depois de concordar em permitir que os utilizadores e as plataformas de jogos em nuvem transmitissem os seus títulos sem pagar direitos de autor durante 10 anos.

Mas o acordo enfrentou a resistência das autoridades reguladoras britânicas e norte-americanas, que receavam que o mesmo pudesse asfixiar a concorrência na indústria dos videojogos. A Sony, a principal rival, temia que o acordo limitasse o acesso dos jogadores da PlayStation a "Call of Duty", a série de tiro militar de longa duração da Activision.

A Comissão Federal do Comércio dos Estados Unidos perdeu uma tentativa de suspender o acordo para que o seu juiz interno o pudesse analisar. A FTC não desistiu, tendo recorrido da decisão e, no mês passado, notificado o seu plano para retomar o julgamento. Este facto assinala a intenção da autoridade reguladora dos EUA de anular o acordo, mesmo após a sua conclusão.

Entretanto, o regulador britânico foi o último grande obstáculo à concretização da transação. A aprovação da CMA surgiu depois de a Microsoft ter atualizado a sua oferta em agosto.

No âmbito do acordo reestruturado, a Microsoft venderá ao estúdio francês Ubisoft Entertainment os direitos de transmissão em nuvem fora da UE e de três outros países europeus para todos os jogos Activision actuais e novos lançados nos próximos 15 anos.

As autoridades reguladoras britânicas tinham inicialmente bloqueado a transação em abril por recearem que a Microsoft pudesse reter os títulos da Activision no mercado emergente dos jogos em nuvem, onde os jogadores podem evitar comprar consolas caras e jogar a partir dos seus tablets ou telemóveis.

Depois, numa ação sem precedentes, a autoridade britânica adiou a decisão final, dizendo que precisava de reconsiderar e concordando com a Microsoft em suspender o processo de recurso.

Um dos fatores foi a aprovação da UE, concedida depois de a Microsoft ter prometido licenciar automaticamente os títulos da Activision a título gratuito para as plataformas de jogos na nuvem. De acordo com os documentos do tribunal, outra "alteração material das circunstâncias" que o organismo de controlo disse ter de considerar foi um acordo que a Microsoft assinou com a Sony para disponibilizar os jogos "Call of Duty" na PlayStation durante pelo menos 10 anos.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

China já reagiu a decisão de União Europeia sobre tarifas nos carros elétricos

Eleições europeias: será que a onda de extrema-direita vai pressionar o sector das energias renováveis?

Um dos maiores operadores de viagens da Europa entra em processo de insolvência