EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Guerra entre Israel e Hamas: Como é que os mercados financeiros vêem o resultado da crise

Fotografia de ficheiro da cidade de Gaza com o conceito de investimento adicionado.
Fotografia de ficheiro da cidade de Gaza com o conceito de investimento adicionado. Direitos de autor AP
Direitos de autor AP
De  Doloresz Katanich
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

De acordo com os analistas, os investimentos relacionados com a energia e a defesa deverão render nos próximos 12-18 meses.

PUBLICIDADE

Semanas após o ataque devastador do Hamas a Israel - que provocou uma retaliação feroz por parte de Israel e fez temer uma catástrofe humanitária em Gaza - o choque imediato que o ataque teve nos mercados parece estar a desaparecer.

No entanto, tendo em conta o enorme impacto que a instabilidade no Médio Oriente pode ter na economia global, surge uma preocupação premente para os investidores: que investimentos seriam uma opção segura num cenário de potencial escalada de conflitos na região?

A BCA Research, uma empresa de estratégia de investimento global, aposta que a resposta está no petróleo e nos investimentos relacionados com a defesa.

A razão, segundo a investigação, é que a guerra entre Israel e o Hamas é suscetível de transbordar das fronteiras de Gaza nos próximos 12 meses, provocando um choque petrolífero significativo - uma previsão que parece cada vez mais possível na sequência de relatos de que as forças armadas dos EUA atacaram milícias apoiadas pelo Irão na Síria, num ato autoproclamado de autodefesa.

A BCA Research estima em 45% a probabilidade de o conflito envolver o Hezbollah e outros grupos militantes no Líbano e na Síria.

Matt Gertken, estratega geopolítico chefe da empresa, afirma que existe um risco significativo de que os combates se estendam e levem o Irão a entrar abertamente na luta, mesmo que isso seja improvável.

Como é que os investimentos em petróleo e defesa podem ter um desempenho superior

Com uma potencial escalada da guerra, existe um risco elevado de um grande aumento dos preços do petróleo nos próximos 12 a 18 meses, de acordo com a BCA Research.

A guerra em Gaza não será a única causa, diz a empresa: A Rússia, ainda enredada nas sanções ocidentais decorrentes da sua contínua invasão da Ucrânia, também é suscetível de reduzir a produção de petróleo.

Mas o petróleo não é o único mercado que pode subir de valor - a BCA Research também apostou no setor da defesa. Os EUA estão a aumentar as despesas com a defesa para proteger os seus aliados e a Europa também está a atribuir mais fundos à defesa, o que constitui um sinal promissor de aumento dos lucros para os investidores.

O que é que o mercado espera?

À medida que as notícias sobre Israel e Gaza continuam a desenrolar-se, os investidores têm-se orientado para investimentos de refúgio, como o ouro e as obrigações do tesouro dos EUA. No entanto, o impacto da guerra nos mercados financeiros mundiais e nos preços do petróleo tem sido moderado até à data.

A ausência de alterações voláteis no mercado petrolífero é o resultado de dois efeitos opostos.

Osama Rizvi, analista económico e de energia da Primary Vision Network, afirmou que os preços do petróleo estavam prestes a baixar (devido a um abrandamento da economia mundial que reduziu a procura de petróleo) mesmo antes do início da guerra entre Israel e o Hamas.

Muitos grandes investidores ainda estão a ter em conta esta perspetiva.

Quanto ao próximo período, Rizvi suspeita que não haverá grandes surpresas. Assumindo que a guerra se mantém confinada às suas fronteiras atuais, não espera mais do que um aumento de 3-4 dólares nos preços do petróleo Brent.

No entanto, se o Irão entrar na luta e vedar o acesso aos seus 700.000 barris de petróleo por ano, é provável que haja um salto de 10 dólares, segundo o analista.

O terceiro cenário é o mais preocupante: Uma guerra total envolvendo grandes potências como os EUA, onde Israel em conflito direto com o Irão**.**

"Se isso acontecer, de acordo com a Bloomberg economics, poderá estar em risco quase 1 bilião de dólares do PIB mundial e também o potencial de os preços do petróleo atingirem 150 dólares ou mais", disse Rizvi.

Como as perspetivas globais estão a influenciar os investidores

Mesmo que um potencial conflito com o Irão seja contido, existe ainda a possibilidade de a economia dos EUA enfrentar uma recessão nos próximos 12-18 meses, de acordo com a BCA Research.

PUBLICIDADE

A empresa prevê que a inflação global ou da energia seja demasiado elevada para permitir que a Reserva Federal dos EUA (ou Fed, o banco central dos EUA) comece a reduzir as taxas de juro.

Este facto, associado aos elevados preços da energia, está a comprimir a procura e a arrastar a economia, explicou Gertken.

Quais são os investimentos seguros para a crise?

O aumento dos riscos geopolíticos faz normalmente subir o preço do ouro e do dólar - os investidores tendem a transferir quase automaticamente o seu dinheiro para estes ativos porque são propensos a resistir a crises globais.

Há muito que o ouro resiste aos choques geopolíticos e, recentemente, apesar do aumento das taxas de juro reais, tem-se mantido a um preço relativamente elevado.

Segundo Gertken, uma das razões é que países como a Rússia e a China, que estão a posicionar-se para um confronto comercial com os EUA, estão a armazenar ouro.

PUBLICIDADE
Employees of ProAurum gold house prepares 0.5 Kg gold bars of 999.9 purity in the safe deposit boxes room in Munich, Germany, Thursday, Dec. 13, 2018.
Employees of ProAurum gold house prepares 0.5 Kg gold bars of 999.9 purity in the safe deposit boxes room in Munich, Germany, Thursday, Dec. 13, 2018.Matthias Schrader/Copyright 2018 The AP. All rights reserved.

Os investimentos em dólares poderão registar quedas temporárias, uma vez que a moeda está a ser negociada inversamente ao petróleo, mas, fundamentalmente, são considerados um porto seguro.

Moedas como o iene japonês e o franco suíço também são escolhas sólidas numa crise, assim como os rendimentos do Tesouro dos EUA.

Para os investidores, olhando para além dos próximos 12 meses, as matérias-primas também podem trazer bons rendimentos. A prata e o cobre, sugere Rizvi, são potencialmente bons investimentos, acrescentando que estes dois produtos registam geralmente um aumento da procura e dos preços quando as economias estão bem.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Israel "expande operação no terreno dentro da Faixa de Gaza": ouvem-se bombas

Que país tem o melhor sistema de pensões do mundo e o que é que a IA tem a ver com isso?

Preços do gás natural aumentam com a explosão da inteligência artificial