EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Desigualdade na Europa: Quais são os países com maior e menor rendimento?

Moedas de euro empilhadas sobre notas de euro
Moedas de euro empilhadas sobre notas de euro Direitos de autor Canva/Djapeman
Direitos de autor Canva/Djapeman
De  Servet Yanatma
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

As diferenças significativas no rendimento disponível no continente realçam a extensão da desigualdade, com os países ocidentais e nórdicos a terem, em média, um rendimento disponível mais elevado em comparação com muitos países do sul e do leste.

PUBLICIDADE

De acordo com o Índice de Prosperidade Legatum 2023, dois terços dos países mais ricos do mundo situam-se na Europa, mas a desigualdade de rendimentos é uma realidade em todo o velho continente.

O rendimento médio das famílias reservado para despesas e poupanças varia consideravelmente, não só entre os Estados-Membros da UE, mas também noutros países europeus.

Parece existir uma clara divisão geográfica: Os níveis mais elevados de rendimento médio disponível foram registados nos países ocidentais e nórdicos, ao passo que os níveis são mais baixos na maioria dos países do Sul e do Leste.

O acesso a bens e serviços num país depende em grande medida da distribuição do rendimento, que varia muito, provocando desigualdades.

Pode ser difícil comparar com exatidão os níveis de rendimento disponível dos países devido aos diferentes regimes fiscais e níveis de preços.

No entanto, uma forma de medir e comparar as diferenças é olhar para o rendimento mediano disponível equivalente por habitante no padrão de poder de compra (PPC) em cada país, o que dá uma ideia do nível de vida.

O rendimento disponível das famílias é o que as famílias têm disponível para gastar e poupar após impostos e transferências, tal como definido pelo Eurostat, o serviço de estatística da UE. Este rendimento é ajustado em função da dimensão e composição do agregado familiar - para o tornar comparável entre todos os agregados familiares.

O PPC ajuda a tornar os preços comparáveis entre países. Trata-se de uma espécie de moeda artificial que elimina as diferenças de nível de preços.

Tendo isto em conta, quais são os países com maior e menor rendimento disponível na Europa? E qual é a prevalência da desigualdade de rendimentos?

Em 2022, a mediana do rendimento disponível por habitante na UE variava entre 9 671 PPC na Bulgária e 33 214 PPC no Luxemburgo. 

A média da UE era de 18 706 PPC por habitante.

Quando se incluem os países da Zona Europeia de Comércio Livre (EFTA) e os países candidatos à UE, o Luxemburgo é seguido pela Noruega (27 090 PPC) e pela Suíça (26 389 PPC). Este valor foi também ligeiramente superior a 25 000 PPC nos Países Baixos e na Áustria.

Os países nórdicos estão acima da média da UE, mas não conseguem alcançar o primeiro lugar

O rendimento mediano disponível por habitante foi superior à média da UE em cinco países nórdicos.

Embora a Noruega tenha ficado em segundo lugar, nenhum dos outros países conseguiu ficar entre os cinco primeiros.

A Finlândia (20 941 PPC) ficou em 10º lugar e a Suécia (20 573 PPC) em 13º lugar entre os 35 países da lista.

PUBLICIDADE

A Islândia e a Dinamarca ficaram em 7º e 8º lugares, respetivamente.

Divisão entre os quatro grandes

Analisando os quatro países mais populosos da UE, o rendimento mediano disponível era superior à média da UE na Alemanha (23 197 PPC) e em França (20 575 PPC), e inferior em Itália (18 472 PPC) e em Espanha (17 254 PPC).

A Croácia, o último país a aderir à UE, registou um rendimento mediano disponível superior ao de seis países da UE.

Como se pode ver no mapa, os países da Europa Ocidental e Nórdica registaram os níveis mais elevados de rendimento mediano disponível, enquanto a maioria dos países do Sul e do Leste registaram níveis mais baixos.

PUBLICIDADE

Os países candidatos registaram os rendimentos mais baixos

Os países candidatos à adesão à UE registaram os rendimentos medianos disponíveis mais baixos da lista.

A Albânia (4.385 PPC) ocupa o último lugar, seguida da Macedónia do Norte (5.988 PPC) e da Turquia (6.210 PPC).

Desigualdade de rendimentos aumenta

Quando se considera o rendimento em euros e não em PPC, os níveis de desigualdade de rendimento na Europa parecem particularmente acentuados.

O intervalo do rendimento mediano disponível por habitante variou entre 5 378 euros na Bulgária e 45 310 euros no Luxemburgo, na UE, em 2022. O rendimento mediano disponível para a UE no seu conjunto era de 19 083 euros.

PUBLICIDADE

Este valor era superior a 35 000 euros em cinco países, nomeadamente a Suíça (44 753 euros), a Islândia (39 918 euros), a Noruega (39 206 euros) e o Reino Unido (37 934 euros), para além do Luxemburgo.

Na Alemanha, o valor era de 25 000 euros e, em França, de 23 053 euros.

O rendimento mediano disponível em euros era consideravelmente inferior nos países candidatos à UE: 3 000 euros na Albânia, Turquia e Macedónia do Norte.

Como evoluiu o rendimento disponível nos últimos cinco anos?

Vários países aumentaram significativamente o seu rendimento mediano disponível por habitante, em euros, nos últimos cinco anos, quando se analisa o aumento percentual.

PUBLICIDADE

Entre 2017 e 2022, o rendimento disponível médio por habitante aumentou mais de 40% em nove Estados-Membros da UE e em dois países candidatos. A variação foi de 17% para a UE no seu conjunto.

A Roménia registou o maior aumento, com 101%, seguida da Sérvia (68%) e da Lituânia (66%).

A variação percentual nos países em que o rendimento mediano disponível era superior à média da UE registou muito poucas alterações, como 1% na Suíça, 2% na Noruega e 5% em França e na Suécia.

O rendimento disponível mediano diminuiu apenas na Turquia

A Turquia foi o único país que registou uma diminuição do seu rendimento disponível mediano, nomeadamente de 27%, ou seja, 1 000 euros.

PUBLICIDADE

Quando se analisam as variações em euros e não em percentagem, o Luxemburgo (8 995 euros) registou o maior aumento, seguido da Irlanda (6 181 euros) e dos Países Baixos (5 976 euros).

O aumento médio na UE foi de 2 802 euros.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Que países europeus têm as cargas fiscais mais elevadas e mais baixas?

Trabalho na Europa: quais são os países com semanas laborais mais longas e mais curtas?

BCE mantém as taxas de juro inalteradas, uma vez que o controlo da inflação continua a ser fundamental