Perturbações no transporte marítimo podem agravar a inflação

Angela Barnes, editora da Euronews, fala com Beata Javorcik, economista-chefe do BERD
Angela Barnes, editora da Euronews, fala com Beata Javorcik, economista-chefe do BERD Direitos de autor Euronews
De  Angela BarnesIndrabati Lahiri
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
Artigo publicado originalmente em inglês

Beata Javorcik, economista-chefe do Banco Europeu para a Reconstrução e Desenvolvimento, salienta que as atuais perturbações no transporte marítimo no Mar Vermelho poderão agravar a inflação.

PUBLICIDADE

Beata Javorcik, a economista-chefe do Banco Europeu para a Reconstrução e Desenvolvimento (BERD), falou com a Euronews, na cimeira de Davos, sobre os principais riscos económicos para 2024.

Destacando a inflação como um dos maiores riscos, Javorcik acredita que as atuais perturbações no transporte marítimo no Mar Vermelho devido aos ataques dos Houthi no Iémen poderão continuar a inflamar os preços este ano.

Várias companhias de navegação, como a Maersk, a Mediterranean Shipping Company (MSC) e a Hapag-Lloyd, já suspenderam as viagens através do Mar Vermelho e do Canal do Suez. As rotas alternativas incluem a volta ao continente africano, o que implica um aumento significativo do tempo de viagem e dos custos.

Devido ao aumento do tempo de espera e dos custos dos fatores de produção, vários fabricantes poderão ser forçados a aumentar os preços dos produtos finais. Se assim for, os preços da energia poderão ser um dos mais afetados. A prazo, esta situação poderá corroer os progressos alcançados até à data na contenção da inflação, aumentando os preços no consumidor.

Como é que os bancos centrais estão a planear lidar com a inflação em 2024?

A inflação global baixou consideravelmente em várias economias importantes nos últimos meses, principalmente devido ao regresso dos preços dos produtos agrícolas, do gás natural e da energia aos níveis anteriores ao conflito ucraniano.

No entanto, Javorcik observa que "os bancos centrais continuam a ser muito cautelosos e não querem declarar prematuramente a vitória sobre a inflação". Isto deve-se principalmente ao facto de a inflação da maioria dos países ainda estar bastante acima do objetivo geralmente aceite de 2%.

A inflação subjacente em muitas economias também permanece desconfortavelmente elevada, com Javorcik a sublinhar que domar a inflação subjacente pode ser um processo muito mais longo e complicado. A evolução do conflito no Médio Oriente e o seu impacto no transporte marítimo podem também alterar rapidamente a trajetória da inflação.

A volatilidade nos mercados de matérias-primas poderá regressar

Em fevereiro de 2022, no início do conflito Rússia-Ucrânia, vários produtos de base registaram um aumento da volatilidade e dos preços, o que se traduziu numa inflação mais elevada para a economia mundial. 

Na altura, depois de reduzir o consumo de gás russo, a Europa estava fortemente dependente dos EUA para o fornecimento de gás natural liquefeito (GNL). No entanto, este ano, é provável que a Europa esteja muito mais bem equipada. Um inverno mais quente do que o habitual e mais investimentos na poupança de energia e nas energias renováveis também promoveram uma melhor segurança energética.

Mas as perturbações no Médio Oriente poderão trazer de novo essa volatilidade aos mercados de matérias-primas, especialmente se mais países se envolverem, conduzindo a um conflito regional mais vasto. Com o Irão já a apoiar os Houthis do Iémen e uma série de ataques aéreos defensivos conjuntos contra os mesmos por parte dos EUA, do Reino Unido e de vários países europeus, as tensões geopolíticas. 

A winter landscape in Davos, Switzerland
A winter landscape in Davos, SwitzerlandEuronews

Os progressos da IA podem ameaçar os processos eleitorais

Os rápidos progressos da inteligência artificial são também um tema fundamental do Fórum Económico Mundial deste ano. 

Segundo Javorcik, a preocupação mais imediata em relação à IA prende-se com o facto de estarmos num ano em que 70 países têm eleições importantes. "Penso que a maioria dos observadores reconhece a possibilidade de a IA ser utilizada para interferir nas eleições através da desinformação", sublinha.

No que se refere ao lugar da Europa na economia, tendo em conta as próximas eleições, Javorcik afirma que a economia europeia deverá estar mais bem posicionada este ano do que no ano passado, mas que continuam a existir dificuldades.

"Não podemos esquecer que os preços do gás natural na Europa continuam a ser cinco vezes mais elevados do que nos EUA, o que está a minar a competitividade europeia". A desindustrialização também continua a ser uma ameaça muito potente para a economia europeia", destaca.

Outras ameaças globais incluem o aumento das taxas de juro e os elevados custos dos empréstimos públicos, com os investidores a quererem uma maior compensação pelos atuais riscos geopolíticos.

Para o BERD, uma das principais prioridades do próximo ano será o avanço da transição ecológica na Europa.

Editor de vídeo • Joanna Adhem

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

O que podem o conflito e a tensão no Mar Vermelho significar para a Europa?

Preço do azeite sobe mais de 50% num ano na UE, Portugal registou o maior aumento

O preço do amor: porque sai tão caro encontrar alguém?