O que podem o conflito e a tensão no Mar Vermelho significar para a Europa?

Os EUA estão a liderar as forças da coligação na retaliação no Mar Vermelho
Os EUA estão a liderar as forças da coligação na retaliação no Mar Vermelho Direitos de autor Mass Communications Spc. 2nd Class Moises Sandoval/AP
De  Osama Rizvi, economist
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Os ataques no Mar Vermelho ocorrem numa das rotas comerciais mais importantes do mundo, podendo afetar mais de 40% do comércio entre a Ásia e a Europa.

PUBLICIDADE

À medida que o Reino Unido e os Estados Unidos atacam as instalações dos Houthis, as tensões aumentam no Mar Vermelho, o que faz prever a possibilidade de uma crise generalizada que poderá ameaçar a recuperação económica mundial. 

Nesse cenário, a Europa e os seus cidadãos podem esperar custos de energia mais elevados, atrasos nos envios de mercadorias e o regresso da inflação, que se traduzirá em taxas de juro mais elevadas e duradouras. Todos estes desenvolvimentos significam mais problemas para o consumidor médio e para as empresas locais.

O que está a acontecer no Mar Vermelho?

Os problemas começaram quando o grupo iemenita Houthis começou a atacar navios comerciais em resultado das tensões em curso no Médio Oriente entre os palestinianos e Israel. Até à data, os Houthis lançaram 27 ataques contra navios que atravessam a importante via marítima internacional. 

O Reino Unido e os EUA lançaram uma ofensiva aérea em retaliação, tendo o Presidente dos EUA, Joe Biden, ordenado os ataques "em resposta direta aos ataques sem precedentes dos Houthis contra navios marítimos internacionais no Mar Vermelho". As forças da coligação visaram mais de 16 cidades e atingiram 60 alvos, de acordo com relatórios oficiais.

O envolvimento dos EUA, do Reino Unido e das forças da coligação transformou o que era uma crise regional numa crise global. Os EUA acusaram o Irão de apoiar os Houthis.

Se a situação se agravar, a economia mundial, incluindo a da UE, corre o risco de sofrer perdas significativas.

Europa pode ser afetada pelo aumento dos preços da energia

Os preços do petróleo já subiram em consequência da tensão, com o Brent a atingir a marca psicologicamente importante de 80 dólares (73,12 euros). O Mar Vermelho representa 12% do comércio marítimo global de petróleo e 8% do gás natural liquefeito (GNL).

A quantidade de petróleo bruto que passa pelo Canal do Suez aumentou 60% desde 2020, de acordo com dados oficiais, uma vez que a Europa registou um aumento da procura desde os níveis mínimos da pandemia. 

É também importante notar que a Europa tem vindo a importar petróleo dos produtores do Médio Oriente através do Canal do Suez desde que a UE impôs sanções à Rússia devido ao conflito na Ucrânia. 

De acordo com o analista de dados de transporte de mercadorias Vortexa, um desvio resultante das perturbações no Mar Vermelho poderia levar a um aumento de 58 a 129% no tempo que os petroleiros demoram normalmente a percorrer as principais rotas mundiais, incluindo da Índia para a Europa e do Médio Oriente para a Europa.

O momento não poderia ser pior, especialmente quando o inverno começa a chegar à Europa, com potenciais perturbações no fornecimento de energia que podem afetar diretamente as famílias.

Perturbações na cadeia de abastecimento

Mais de 15% do tráfego marítimo mundial passa pelo Mar Vermelho, o que faz dele uma das vias navegáveis estratégicas mais importantes do mundo. ~

Cerca de 123,5 milhões de toneladas métricas de mercadorias foram trocadas através do Mar Vermelho e mais de 22.000 navios passaram por ele em 2022, de acordo com os últimos números. Globalmente, 12% do volume do comércio mundial utiliza esta rota comercial.

No entanto, devido à perturbação, os contentores de transporte marítimo global das empresas de transporte marítimo do mundo estão a utilizar a rota mais longa, evitando o Mar Vermelho e contornando o Cabo da Boa Esperança. 

Esta situação está a provocar um aumento das tarifas de transporte marítimo, uma vez que o custo por contentor aumentou entre 5.000 dólares (4.570 euros) e 8.000 dólares (7.312 euros), o que representa entre duas e cinco vezes mais do que a tarifa normal para esta época do ano. 

Além disso, o desvio acrescenta cerca de 10 dias ou 3.500 milhas náuticas à distância habitual, o que se traduz num aumento dos prémios de seguro. De acordo com Xeneta, registou-se um aumento de 124% nas taxas de frete entre o Extremo Oriente e o Norte da Europa.

Consequentemente, todos os bens e mercadorias que viajam em contentores não só chegarão ao seu destino com atraso, como o preço reflectirá agora o aumento dos custos. Isto significa que os preços nas prateleiras serão mais elevados, o que, por sua vez, conduzirá a um aumento global da inflação.

Inflação e manutenção de taxas de juro elevadas

De acordo com a Allianz Trade, as perturbações poderão resultar num aumento de 0,7% da inflação na Europa, o que poderá atrasar ainda mais a recuperação de um grave abrandamento económico na região. 

PUBLICIDADE

Esta situação poderá também obrigar o Banco Central Europeu (BCE) a manter as taxas de juro mais elevadas durante mais tempo, de modo a que os seus esforços para combater a inflação não percam força. O BCE já aumentou as taxas de juro 10 vezes em aumentos consecutivos.

Taxas de juro mais elevadas podem exercer pressões descendentes sobre as empresas e também desencorajar a atividade económica - algo que já foi abafado ao longo de 2023, como indicado pelo PMI da zona euro, que se situa em 43,8, sugerindo que a produção caiu durante oito meses consecutivos.

As perspectivas para a inflação europeia melhoraram recentemente, mas ainda há um longo caminho a percorrer. Na Alemanha, a inflação dos preços no consumidor (IPC) subiu 3,8% em dezembro, mais do que os 2,3% registados em novembro. A França também registou um aumento do IPC, que se situou em 4,1% em dezembro, contra 3,9% em novembro.

O aumento dos preços da energia e as perturbações na cadeia de abastecimento deverão agravar as actuais preocupações económicas dos países europeus. Isto significa que as tensões no Mar Vermelho podem ter consequências graves para a Europa em particular e para o mundo em geral.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Marinha iraniana sequestra petroleiro no Mar Vermelho

Conselho de Segurança da ONU aprova resolução para pôr fim a ataques no Mar Vermelho

Mercedes-Benz recolhe 250 000 veículos devido a risco de incêndio