Conselho de Segurança da ONU aprova resolução para pôr fim a ataques no Mar Vermelho

Vigilância marítima
Vigilância marítima Direitos de autor Ships crew/UK MOD © Crown copyright 2024
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

O Conselho de Segurança da ONU aprovou na quarta-feira uma resolução para a segurança marítima no Mar Vermelho, após ataques na região.

PUBLICIDADE

Os rebeldes do Iémen têm atacado navios de transporte de mercadorias que se aproximam do Canal de Suez há meses como retaliação à ofensiva de Israel em Gaza.

Por essa razão, o Conselho de Segurança da ONU aprovou na quarta-feira uma resolução para a segurança marítima na região. A resolução foi aprovada com 11 votos a favor e 4 abstenções.

Momentos antes da votação, a embaixadora dos EUA declarou que “os ataques violam a lei internacional e que a resolução exige o fim imediato das hostilidades”.

Linda Thomas-Greenfield sublinha ainda “o apoio do Conselho para o respeito dos direitos à navegação por navios de todas as nações no Mar Vermelho, incluindo os navios mercantes e civis em trânsito pelo estreito de Bab-el-Mandeb de acordo com a lei internacional”.

“A passagem destes navios não deve ser impedida de modo algum”, acrescentou a embaixadora norte-americana, acrescentando que os ataques são uma clara “ameaça à segurança internacional e à economia mundial por causar o aumento dos preços dos alimentos, da energia e dos medicamentos”.

De acordo com as autoridades norte-americanas, "os Houthis têm recebido apoio e armamento do Irão durante esta guerra”.

Greenfield afirmou ainda que o fornecimento de armamento ao grupo rebelde Houthis é uma clara “violação da resolução 2216”.

Ao aprovar a presente resolução todos os Estados membros, incluíndo o Irão, devem cumprir com as suas obrigações, concluiu Greenfield.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

O que podem o conflito e a tensão no Mar Vermelho significar para a Europa?

EUA fazem novo ataque contra instalações Houthi no Iémen

EUA avisam que não vão parar ataques contra militantes apoiados pelo Irão no Iraque e na Síria