Quem ultrapassou Elon Musk como a pessoa mais rica do mundo?

Elon Musk, diretor executivo da Tesla, à esquerda, e Bernard Arnault, diretor executivo do grupo de luxo LVMH, à direita.
Elon Musk, diretor executivo da Tesla, à esquerda, e Bernard Arnault, diretor executivo do grupo de luxo LVMH, à direita. Direitos de autor AP Photo
De  Piero Cingari
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

A mudança no ranking é um sintoma de impérios empresariais divergentes e de movimentos rápidos no desempenho do mercado.

PUBLICIDADE

Bernard Arnault, o diretor da LVMH (Louis Vuitton Moët Hennessy), conquistou o título de pessoa mais rica do mundo, ultrapassando Elon Musk, dono da Tesla.

O património líquido de Arnault ascende agora a 207,6 mil milhões de dólares (191,5 mil milhões de euros), ultrapassando os 204,7 mil milhões de dólares de Musk, de acordo com a última "Lista dos Bilionários em Tempo Real" da Forbes.

Arnault teve um aumento extraordinário de riqueza na semana passada, com o seu património líquido a aumentar 22,7 mil milhões de dólares num só dia, sexta-feira, o que representa um salto notável de 12,3%. 

Por sua vez, Elon Musk viu a sua fortuna cair 18 mil milhões de dólares no dia anterior, o que representa uma diminuição de 8,1% do seu património líquido.

Esta inversão de fortunas sublinha os caminhos divergentes dos seus impérios empresariais, particularmente evidente após a publicação dos seus últimos relatórios financeiros.

2023, um ano recorde para a LVMH

LVMH, a potência de bens de luxo liderada por Arnault, teve um ano recorde em 2023.

O desempenho do conglomerado em todo o seu prestigiado portefólio de marcas, que inclui nomes como Louis Vuitton, Christian Dior, Fendi e Tiffany & Co., testemunhou um aumento notável na receita, atingindo impressionantes 86,2 mil milhões de euros.

Isto representa um aumento substancial de 13% em relação aos números de 2022, ultrapassando significativamente os 85,74 mil milhões de euros previstos pelos analistas.

O crescimento mais substancial da receita dentro do grupo LVMH foi observado no setor de retalho seletivo, que teve um aumento notável de 25% em relação ao ano anterior.

Este aumento foi atribuído ao excelente desempenho da Sephora e ao crescimento da DFS (lojas duty-free), impulsionado pela recuperação das viagens internacionais.

O lucro bruto da LVMH atingiu 59,28 mil milhões de euros, marcando um aumento de 9,4%, enquanto o lucro líquido subiu para 15,2 mil milhões de euros, registando um aumento de 8% em relação a 2022.

Bernard Arnault, mantendo uma perspetiva cautelosa, mas otimista, disse: "Embora permaneçamos vigilantes no contexto atual, entramos em 2024 com confiança, apoiados por nossas marcas altamente desejáveis".

O bilionário francês também expressou a expectativa de que este ano seja inspirador e excecional, destacando a participação da LVMH nos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos de Paris.

O sentimento positivo em torno da LVMH refletiu-se no desempenho da sua bolsa de valores, com as ações a subirem 12,81% para 773,10 euros após o anúncio. 

Este aumento substancial representou o maior salto num só dia desde outubro de 2008, impulsionando Arnault para o topo da classificação mundial de riqueza.

Tesla enfrenta contratempos

Do outro lado desta equação de riqueza, está a Tesla, de Elon Musk. A gigante dos veículos elétricos relatou um aumento modesto de 3.5% na receita do quarto trimestre de 2023, atingindo 25,2 mil milhões de dólares (23,2 mil milhões de euros), e uma receita anual de 96,8 mil milhões de dólares, um aumento de 15% em relação a 2022.

No entanto, o lucro bruto da Tesla experimentou uma queda significativa de 15.3%, para 17,66 mil milhões de dólares. Apesar do lucro líquido da Tesla ter disparado para 7,93 mil milhões, marcando um aumento substancial de 115%, esse desempenho excecional foi em grande parte devido a um benefício fiscal único.

Olhando para o futuro, a Tesla ofereceu uma perspetiva cautelosa para 2024, antecipando um ano "desafiador" para a indústria automobilística global e projetando uma queda "material" em suas próprias margens de lucratividade. 

PUBLICIDADE

Estas perspetivas levaram vários analistas de Wall Street a rever em baixa as suas expectativas em relação à Tesla, o que conduziu a uma descida da cotação das ações.

Após a divulgação dos resultados, as ações da Tesla caíram 12%, contribuindo para a descida de Elon Musk para o segundo lugar entre as pessoas mais ricas do mundo.

O forte contraste entre as fortunas financeiras de Bernard Arnault e Elon Musk realça a natureza volátil da riqueza no panorama empresarial moderno, onde podem ocorrer mudanças rápidas no património líquido numa questão de horas, impulsionadas pelo desempenho do mercado dos respetivos impérios.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Elon Musk diz que Neuralink implantou chip cerebral "com sucesso"

Chinesa BYD ultrapassa Tesla na venda de elétricos pela primeira vez

Pharrell Williams contratado pela marca de luxo Louis Vuitton