O que está reservado para as instalações de energia nuclear da Europa?

Último dia de funcionamento da central nuclear alemã RWE de Emsland, em Lingen, antes do seu encerramento definitivo em 15 de abril de 2023.
Último dia de funcionamento da central nuclear alemã RWE de Emsland, em Lingen, antes do seu encerramento definitivo em 15 de abril de 2023. Direitos de autor Frank Jordans/Copyright 2023 The AP.
De  Heloise Urvoy
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Enquanto a França mantém o título de maior produtor de energia nuclear da Europa, a Alemanha acabou por suspender os seus planos para a energia nuclear. Entretanto, os países com menor capacidade aumentaram a sua produção.

PUBLICIDADE

A França deverá finalmente carregar este mês o combustível para o seu reator nuclear de terceira geração, conhecido como EPR, e espera-se que a ligação à rede seja feita ainda este ano. O maior produtor de energia nuclear da Europa está 12 anos atrasado - um atraso que leva alguns a duvidar de que o EPR esteja operacional este ano.

No entanto, a França está a aumentar a sua produção de energia nuclear - algo que parecia impensável há menos de uma década, devido à mudança de opiniões políticas sobre a matéria.

A França não é o único país que mudou várias vezes a sua posição relativamente à energia nuclear. Juntamente com a incerteza que rodeia outras fontes de energia e os acontecimentos geopolíticos, a realidade do mercado global da eletricidade muda rapidamente.

Um mercado da eletricidade volátil

A produção de eletricidade de um país depende de muitos fatores que, pela sua natureza, são voláteis.

O último conjunto completo de dados disponíveis sobre a balança de importação/exportação na Europa coloca a Suécia e a Alemanha como os dois principais exportadores de eletricidade em 2022, com 33,3 TWh e 26,5 TWh, respetivamente. No fundo desta classificação encontram-se a França e a Itália, cuja produção de eletricidade diminuiu consideravelmente, levando os dois vizinhos a importar uma boa parte das suas necessidades de eletricidade - 16,4 TWh para a França e 43,4 TWh para a Itália.

Este retrato do mercado da eletricidade era completamente diferente em 2023. A França, por exemplo, saiu da sua penúltima posição para se tornar o primeiro exportador de eletricidade da Europa, enquanto a Alemanha voltou a ser um país importador.

Uma razão importante para esta volatilidade tem a ver com a energia nuclear, que representa 21,8 % do cabaz energético da União Europeia.

Quais são os países que produzem mais energia nuclear?

No total, a UE tinha 13 Estados-Membros que produziram energia nuclear em 2022. Na Europa, o Reino Unido, a Bielorrússia, a Ucrânia e a Rússia também são países produtores de energia nuclear.

Os quatro principais produtores de energia nuclear em 2022 representavam 73,7% da quantidade total de energia nuclear produzida na UE nesse ano.

O encerramento progressivo dos reatores da Alemanha desempenhou um papel importante nesta tendência, bem como as reparações e manutenções significativas efectuadas pela França em várias das suas centrais eléctricas, que levaram ao encerramento temporário de alguns reatores.

Embora ainda não estejam disponíveis dados completos para 2023, os dados disponíveis do ano passado constituem um bom exemplo da evolução da produção de energia nuclear em apenas alguns meses.

Quais são as mudanças recentes mais notáveis?

Países que até então não eram vistos como grandes produtores de energia nuclear têm vindo a aumentar a sua produção. Em 2022, a produção dos Países Baixos aumentou 19,8 %, a da Chéquia 19,1 %, a da Hungria 17,5 % e a da Finlândia 10,6 %.

O panorama europeu está a evoluir rapidamente, com os grandes produtores tradicionais a decidirem abandonar progressivamente a energia nuclear.

Alemanha

A queda na produção de energia nuclear dos últimos dois anos está destinada a durar: em 15 de abril de 2023, o país encerrou os seus três últimos reatores nucleares em funcionamento.

Uma decisão política há muito tomada - que foi apoiada, empurrada ou atrasada pelos vários partidos no poder desde 1998 - que está a mudar drasticamente o panorama energético do país e da Europa.

Do ponto de vista político, o facto de a França e a Alemanha não se entenderem em matéria de energia nuclear deu origem a vários debates acalorados a nível da UE, nomeadamente sobre a regulação e a recente reforma do sector da eletricidade.

França

O país está a aumentar a sua produção de energia nuclear, após uma queda acentuada de 34,5% em 2022, em comparação com o ano anterior. Em janeiro, o Senado do país aprovou um projeto de lei que abandonou o objetivo de 2030 de reduzir a quota do nuclear para 50% do seu cabaz energético, em vez da atual quota média de 60% a 70% - uma promessa feita pelo presidente Emmanuel Macron durante a sua campanha presidencial de 2017.

Activistas ambientais carregam esqueleto durante marcha para denunciar os planos da França de construir mais reatores nucleares
Activistas ambientais carregam esqueleto durante marcha para denunciar os planos da França de construir mais reatores nuclearesFRANCOIS MORI/AP

Apesar do plano inicial do presidente francês de encerrar 14 reatores nucleares, no final do seu primeiro mandato, Macron abraçou a energia nuclear como o futuro da independência energética de França.

PUBLICIDADE

Espanha

O segundo maior produtor de energia nuclear da UE, está no mesmo caminho que a Alemanha. O país planeia desativar o primeiro dos seus sete reatores nucleares em 2027 e encerrar completamente a sua frota nuclear até 2035.

Suécia e Países Baixos

Também neste caso, a incerteza política fez com que não se esperasse que a Suécia fosse um dos maiores produtores de energia nuclear da UE. Em 2010, os deputados do país decidiram anular a decisão de abandonar progressivamente a energia nuclear, que estava em vigor há 40 anos.

Atualmente, estão em funcionamento seis reatores, estando prevista a construção de mais dois até 2035.

Uma situação semelhante aconteceu nos Países Baixos, com o governo a anunciar em 2021 os seus planos para construir dois reatores, que se juntarão ao único reator em funcionamento. No mesmo ano, os políticos neerlandeses rejeitaram a decisão de eliminar progressivamente a energia nuclear.

Hungria

O entusiasmo do governo pela energia nuclear tem-se mantido firme e forte ao longo dos anos. Recentemente, foram aprovados pelo parlamento húngaro dois novos reatores, para além dos quatro atualmente em funcionamento.

PUBLICIDADE

No entanto, um acordo recente com a empresa russa Rosatom levantou algumas dúvidas em toda a UE, tendo em conta a guerra em curso na Ucrânia e as sanções em vigor contra a Rússia. O projeto Paks II prevê que os dois novos reatores sejam fornecidos pela Rosatom, que atuará como contratante no processo.

Apesar de algumas reticências, a Comissão Europeia aprovou o contrato em maio de 2023.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Diretor executivo da Web Summit, Paddy Cosgrave, confirma regresso após comentários sobre Israel

Crise de emprego na UE: Candidatos não têm as competências adequadas

Sam Bankman-Fried, magnata das criptomoedas, condenado a 25 anos de prisão