EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Novo indício de que o BCE poderá vir a reduzir as taxas de juro na reunião de junho

A inflação está a caminhar na direção certa
A inflação está a caminhar na direção certa Direitos de autor Michael Probst/Copyright 2024 The AP. All rights reserved
Direitos de autor Michael Probst/Copyright 2024 The AP. All rights reserved
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

A inflação da zona euro caiu de mais de 10% no seu pico de 2022 para um mínimo de quase três anos de 2,4% em abril. As previsões apontam para um aumento para 2,5% quando os dados de maio forem divulgados no final desta semana.

PUBLICIDADE

Há indicações de que o Banco Central Europeu (BCE) poderá estar a planear reduzir as taxas de juro na sua reunião do próximo mês.

Numa entrevista ao Financial Times, o economista-chefe do BCE, Philip Lane, afirmou: "Se não houver grandes surpresas, nesta altura há elementos suficientes para eliminar o nível máximo de restrição."

Se houver um corte na reunião de 6 de junho, que se realiza durante as eleições europeias, isso significaria que o BCE estaria a cortar as suas taxas antes de qualquer outro banco central importante. O BCE foi criticado por ter sido demasiado lento a aumentá-las depois de a inflação ter disparado há três anos.

A inflação da zona euro caiu agora para perto do objetivo do BCE de 2% e os investidores acreditam que isso deixa espaço para o banco central cortar a sua taxa de depósito de referência em 0,25%. Esta taxa é atualmente de 4%.

Embora alguns bancos centrais já tenham reduzido o custo dos empréstimos, a Reserva Federal dos EUA e o Banco de Inglaterra ainda não tomaram qualquer medida.

Quando lhe perguntaram se estava satisfeito com o facto de o BCE poder reduzir as taxas mais cedo do que os outros bancos, Lane disse ao FT: "Os banqueiros centrais aspiram a ser tão aborrecidos e eu espero que os banqueiros centrais aspirem a ter o menor ego possível".

Lane explicou que, devido ao facto de a Europa ter sido tão gravemente afetada pela guerra entre a Rússia e a Ucrânia, na sequência da invasão russa da Ucrânia, a inflação caiu mais rapidamente do que noutros países.

Os preços da energia afetam gravemente os europeus

"Lidar com a guerra e com o problema da energia tem sido dispendioso para a Europa", disse ao FT. "Mas, em termos do primeiro passo [começar a cortar as taxas], isso é um sinal de que a política monetária tem estado a dar resultados, garantindo que a inflação desce em tempo útil. Nesse sentido, penso que fomos bem-sucedidos".

Explicou ainda que era importante manter as taxas de juro apertadas para que a inflação não voltasse a subir e ultrapassasse o objetivo do banco. Tal seria "muito problemático e provavelmente muito doloroso de eliminar".

Referindo-se às potenciais pressões sobre a inflação, Lane afirmou que a "pressão ainda significativa sobre os custos" decorrente do rápido crescimento dos salários, que está a fazer subir os preços dos serviços, significa que a política do banco terá de ser restritiva até 2025.

"No próximo ano, com a inflação a aproximar-se visivelmente do objetivo, garantir que a taxa de juro desce para um nível consistente com esse objetivo será um debate diferente", disse ao FT.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Alternativa ao lítio: Pode o manganésio substituir as baterias de lítio dos veículos elétricos?

Banco Central Europeu corta taxas de juro em linha com as expetativas do mercado

Riqueza das nações: o fosso cada vez maior entre ricos e pobres na Europa