EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Banco Central Europeu corta taxas de juro em linha com as expetativas do mercado

Fotografia de ficheiro da escultura do euro em frente ao edifício do Banco Central Europeu em Frankfurt
Fotografia de ficheiro da escultura do euro em frente ao edifício do Banco Central Europeu em Frankfurt Direitos de autor AP
Direitos de autor AP
De  Angela BarnesPiero Cingari
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

O Banco Central Europeu (BCE) reduziu as taxas de juro em 25 pontos base na sua reunião de junho, tal como amplamente esperado pelos analistas.

PUBLICIDADE

O BCE reduziu a sua taxa principal de refinanciamento para 4,25%, a taxa de juro da facilidade permanente de cedência de liquidez para 4,50% e a taxa de depósito para 3,75%, tal como amplamente assinalado nas últimas semanas pelos seus decisores políticos.

Esta é a primeira redução desde março de 2016 para a taxa de juro das operações principais de refinanciamento e para a taxa de juro da facilidade permanente de cedência de liquidez, ao passo que, para a taxa de depósito, é a primeira redução desde setembro de 2019.

Porque é que o BCE reduziu as taxas de juro?

O aumento global de 450 pontos de base implementado por Frankfurt entre julho de 2022 e setembro de 2023 contribuiu para fazer descer a taxa de inflação global na zona euro de um pico de 10,6% em outubro de 2022 para 2,6% em maio de 2024.

Em março, a Presidente Christine Lagarde indicou que, em junho, estariam disponíveis dados mais claros e suficientes. Parece que esse momento chegou.

Embora a inflação ainda não tenha atingido completamente o objetivo de 2%, a sua diminuição substancial assinala uma tendência descendente contínua que deverá persistir nos próximos meses.

De acordo com as últimas projecções do BCE de março de 2024, a taxa média de inflação deverá diminuir para 2% em 2025 e 1,9% em 2026. Quanto à inflação subjacente, que exclui os preços da energia e dos produtos alimentares, as projecções apontam para 2,1% em 2025 e 2,0% em 2026.

O corte de 25 pontos base continuará também a manter as taxas de juro reais positivas, uma vez que as taxas nominais permanecerão acima da atual taxa de inflação. Assim, indica uma redução do grau de restritividade da política monetária, em vez de uma normalização mais alargada.

O custo crescente e elevado dos empréstimos criou um abrandamento no crescimento económico do bloco, contendo a procura e travando as pressões sobre os preços.

Embora a economia da área do euro tenha registado uma expansão de 0,3% no primeiro trimestre de 2024, os dois trimestres anteriores foram marcados por contrações de 0,1%. O segundo trimestre de 2023 registou um ligeiro crescimento de 0,1% e o primeiro trimestre de 2023 e o último de 2022 registaram uma estagnação.

O BCE vai continuar a reduzir as taxas depois de junho?

As recentes observações dos responsáveis do BCE sugerem que não haverá um compromisso prévio para futuros cortes depois de junho.

Isto significa que um novo corte das taxas em julho permanece incerto, uma vez que o BCE pretende manter a flexibilidade nas suas decisões e continuar a monitorizar os dados económicos.

A inflação da zona euro aumentou em maio, atingindo 2,6%, acima dos 2,5% esperados, enquanto a inflação subjacente subiu para 2,9%, contra 2,7% em abril.

Esperamos que a Presidente Lagarde assinale uma vez mais que estarão disponíveis mais informações em julho para orientar a próxima decisão, esperando-se uma clareza ainda maior em setembro.

As novas projecções económicas de junho poderão sugerir um ligeiro ajustamento em alta do crescimento económico e da inflação para 2024, mantendo inalterada a previsão de inflação de 2% para 2025.

Quais são os riscos de uma redução excessiva ou insuficiente das taxas?

O BCE enfrenta o desafio de equilibrar os riscos de uma redução excessiva das taxas com os de uma redução insuficiente.

Se Frankfurt flexibilizar a política monetária de forma demasiado rápida e significativa, é provável que isso estimule a procura dos consumidores e o investimento. No entanto, isto também poderia correr o risco de reacender as pressões inflacionistas antes de o objetivo de 2% ser plenamente atingido.

O BCE expor-se-ia a incertezas relacionadas com os preços da energia e as tensões geopolíticas com amortecedores reduzidos, o que poderia conduzir a efeitos indesejáveis na dinâmica dos preços.

Além disso, embora a Presidente Christine Lagarde tenha sublinhado que o BCE é "dependente dos dados e não da Fed", a divergência entre as políticas dos dois principais bancos centrais do mundo poderia ter impactos financeiros significativos, especialmente nas taxas de câmbio.

PUBLICIDADE

Uma redução agressiva das taxas de juro pelo BCE, enquanto a Fed mantém taxas de juro mais elevadas por um período mais longo, exerceria uma forte pressão no sentido da baixa do euro em relação ao dólar, com o risco de aumentar a pressão sobre os preços dos bens e serviços importados.

Inversamente, se Frankfurt mantiver uma política monetária restritiva durante demasiado tempo e reduzir as taxas menos do que o mercado espera atualmente, arrisca-se a asfixiar o crescimento económico na zona euro e a aumentar o fosso em relação aos Estados Unidos.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

BCE deverá baixar as taxas de juro esta semana: eis o que precisa de saber

Novo indício de que o BCE poderá vir a reduzir as taxas de juro na reunião de junho

BCE mantém taxas de juro inalteradas