This content is not available in your region

Bailarina russa Natalia Osipova brilha em Londres mas tem sempre medo

Bailarina russa Natalia Osipova brilha em Londres mas tem sempre medo
De  Euronews

A bailarina russa Natalia Osipova continua a conquistar o público da Royal Opera House, em Londres. O papel de Tatiana no ballet “Oneguin” corografado por John Cranko valeram-lhe críticas positivas.

“Inteligência dramática” e “naturalidade” são alguns dos adjetivos que a imprensa britânica tem usado para elogiar a bailarina russa.

De acordo com Natalia Osipova para conseguir incarnar um papel é preciso vivê-lo na própria pele. “Os papéis que incarno no palco têm de ser vividos. Não posso apenas representar. Digo sempre à minha mãe que sou uma má atriz. Quando as coisas não funcionam e não consegue incarnar o papel no palco, as coisas deixam de se naturais e não é esse o caminho que eu gosto de seguir”, contou a bailarina.

Em 2014, Natalia Osipova venceu o prémio da dança no Reino Unido. Mas o sucesso não a impede de ficar nervosa antes de cada atuação. “Tenho sempre medo antes dos espetáculos, é insuportável. As pessoas podem pensar que não ficamos preocupados mas à medida que vou envelhecendo é cada vez pior. Há alturas em que só me apetece entrar num táxi e ir embora antes do espetáculo.
Claro que não o faço mas esse sentimento incomoda-me bastante”, confessou Osipova.

Aos 28 anos, a bailarina inicia uma nova fase na carreira e pretende dedicar-se mais à dança contemporânea. “Nos últimos dez anos fiz vários papéis. Agora quero centrar-me nas coisas para as coisas tenho um talento especial, papéis psicológicos e dramáticos e dança contemporânea. Atualmente, há muitos coreógrafos interessantes. Quero experimentar várias coisas e retirar-me gradualmente da dança clássica”, contou a bailarina.

Natalia Osipova tornou-se bailarina principal do Royal Ballet londrino, em 2013, depois de ter sido convidada a interpretar “O lago dos cisnes”. O público pode voltar a vê-la a 16 de abril no espetáculo “La Fille Mal Gardée”, no Covent Garden, na capital britânica.