EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Festival Sónar: Capital mundial da música electrónica em Barcelona

Festival Sónar: Capital mundial da música electrónica em Barcelona
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

A todas as terceiras semanas de junho, os amantes de música electrónica do mundo têm encontro marcado em Barcelona, no festival Sónar. Existe desde

PUBLICIDADE

A todas as terceiras semanas de junho, os amantes de música electrónica do mundo têm encontro marcado em Barcelona, no festival Sónar. Existe desde 1994, dura três dias e junta cerca de 100 mil pessoas.
No Sónar há uma mistura lúdica e experimentalista. Exemplo disso mesmo é a instalação feita pelos alemães de Berlim ART+COM em conjunto com o músico islandês Ólafur Arnalds.

O enviado da euronews ao festival, Vicenç Batalla, explica que “a completar 22 anos de vida, o festival Sónar tenta reinventar-se e põe a criatividade e a inovação tecnológica no centro da programação, com ativistas culturais da era digital ao lado de músicos e DJ’s nos diferentes espaços da feira de Montjuic, em Barcelona.”

Durante o dia são apresentados alguns dos espetáculos mais inovadores do momento em salas quase escuras, onde mal se veem os músicos. O artista de lasers, o australiano Robin Fox juntou-se ao alemão Atom TM para criar a “Double Vision”. “A colaboração que me foi sugerida coloca questões interessantes sobre o trabalho mais científico que tenho estado a fazer com o som e a visão e o trabalho mais “pop” do Uwe. Com esta fusão podemos criar uma sinergia difícil de concretizar de outra forma”, garante Robin Fox.

Por de trás de Atom TM esconde-se Uwe Schmidt, um músico de Frankfurt que há muito tempo vive no Chile e que esteve na primeira edição do Sónar. Uwe é presença assídua e reconhece a evolução do festival. “Continua a ser um festival…simpático…não se tornou “obsceno. Porque a partir de uma certa dimensão, pode tornar-se obsceno”, sublinha Uwe Schmidt.

Este ano foi alargada a oferta de mudanças musicais e tecnologia na chamada “Sónar+D”. Um espaço maior para expositores, ateliers e conferências. Além disso, existe o “Music Hack Day”: 24 horas durante as quais cerca de 100 piratas informáticos de todos os continentes inventam novos dispositivos ligados à música.
Alba Rosado, que pertence ao Music Technology Group explica que “há “piratas” que são muito práticos. Por exemplo, com uns sapatos interativos tentam ensinar a dançar. Esta é uma invenção que está a ser preparada. Há outro que está a fazer um teclado com copos de vinho. Vai enchê-los de líquido e tentar afinar para que cada copo tenha uma nota musical.

À noite, nas grandes arenas a cinco quilómetros, concentram-se os espectáculos para o grande público. Entre os protagonistas desta edição estavam o DJ norte-americano Skrillex, com o grupo Electronic Dance Music. A irlandesa Róisín Murphyn apresentou o novo espetáculo de máscaras.

No segmento de grandes lendas do passado esteve um grupo que teve os momentos de glória nos anos 80: os Duran Duran. Nick Rhodes, teclista da banda, garante que “fazer parte deste grande festival electrónico faz todo o sentido porque porque sempre tivemos um “pé grande”, aqui está…um pé neste tipo de música”

Nick Rhodes, nas teclas, e John Taylor, no baixo, fundaram o grupo há 37 anos em Birmingham e com o cantor Simon Le Bon foram um dos líderes do movimento “novos românticos”. Vão lançar o novo álbum no outono que quer atrair um público de várias gerações. “Voltámos a juntar-nos há nove anos. O panorama musical mudou bastante e os festivais tornaram-se mais fortes, sobretudo na Europa. Por isso decidimos que nos teríamos de adaptar a esta nova realidade”, afirma John Taylor.

Pela relva artificial da Sónar Village passaram bandas de muitas latitudes, como os colombianos Bomba Estéreo e grupos do circuito independente britânico como os Hot Chip que, com o novo albúm nas discotecas, atuaram dois dias seguidos. Al Doyle da banda britânica afirma que “nunca tinhamos tocado duas vezes antes. É algo novo para nós. Tivemos de guardar alguma coisa para o dia seguinte e garantir que não ficavamos exaustos logo na primeria atuação”.

E porque será que os Hot Chip chamaram ao último álbum “Why makes sense?” Joe Goddard, teclista dos Hot Chip explica: “este álbum parece um resumo da nossa carreira, que às vezes parece ter pouco sentido, por isso decidimos desistir de tentar dar-lhe sentido!”.

Desde 2002, o Sonár passou a ter edições noutras cidades: já esteve em Londres, Nova Iorque, Washington, Buenos Aires, Frankfurt, Hamburgo, Seul, Lyon, Tóquio, Roma e Lisboa.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Estilista saudita Reem al Kanhal reinventa vestidos árabes tradicionais

Banda sonora da Guerra das Estrelas em 3D

Novas séries de televisão apresentadas no Festival de Monte Carlo