EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Oliver Stone reconhe "alguns problemas" do cinema no Irão

Oliver Stone reconhe "alguns problemas" do cinema no Irão
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Realizador americano esteve no Festival Internacional de Teerão e falou à Euronews

PUBLICIDADE

O Festival Internacional de Cinema de Teerão deu este ano um importante passo para se afirmar como um dos mais importantes eventos do género no Médio Oriente.

A liberdade de expressão é ainda um tema sensível no Irão, onde as longas-metragens e os documentários têm de ser escrutinados pelas autoridades.

Perguntámos ao realizador do Camboja, Rithy Panh, qual a importância de ser dada aos cineastas iranianos a liberdade para trabalharem sobre a realidade e a história do país.

"O trabalho sobre as memórias é necessário. No meu caso, o Camboja representava logo à partida um grande e vasto território de memória que podia ser trabalhada. Deixo aos iranianos a reflexão sobre a sua própria história", defendeu-se Rithy Panh, ao microfone da Euronews em Teerão.

Entre os ilustres convidados deste ano em Teerão, destacou-se Oliver Stone. O o realizador americano dispensou alguns momentos à reportagem da Euronews para nos falar sobre o iraniano Jafar Panahi, que terá sido proibido de se deslocar a Cannes, onde o realizador viu selecionado para a competição internacional o seu último filme, "Three Faces."

Oliver Stone reconhece que "o Irão tem alguns problemas" no cinema.

"Panahi pelo menos pôde fazer o filme e o resultado está em Cannes. Podem não deixa-lo viajar, mas ele fez o filme e isso é o mais importante. Talvez até seja melhor para ele estar proibido de viajar, percebe o que o digo?", ironizou o realizador americano, deixando nas entrelinhas que a publicidade gerada pela controvérsia até pode vir a beneficiar a película.

Oliver Stone entregou o prémio de Carreira do Festival de Cinema de Teerão a Rithy Panh.O cineasta do Camboja foi distinguido pela longa carreira na sétima arte e pelo foco nas questões humanitárias.

O prémio parece ser um sinal para as próprias autoridades iranianas porque Rithy Panh tem trabalhado a história do Camboja de uma forma que os cineastas iranianos ainda não podem.

O filme iraniano "Hattrick", de Ramtin Lavafipouri, valeu a Mahoor Alvan o prémio de melhor atriz, pelo papel de uma mulher mais velha que a própria atriz.

"Tivemos diferentes ensaios com o realizador a ler o argumento e a falar dele. Falámos sobre todos os detalhes, o passado da mulher, o futuro dela. Penso que a história elaborada para a minha personagem ajudou-me bastante a encarnar o papel", referiu Mahoor Alvan.

O melhor ator foi Leon Lučev, pelo papel no filme "The Miner". O ator croata não esteve em Teerão, delegando na realizadora Hanna Slack a receção do prémio.

"The Miner" é uma produção eslovena e croata sobre um homem que encontra numa mina milhares de cadáveres de pessoas executadas na II Guerra Mundial, mas a quem o patrão pede silêncio sobre a macabra descoberta.

O prémio de melhor filme foi para "Ága", de Milko Lazarov, uma coprodução búlgara, alemã e francesa sobre um casal inuíte muito agarrado às tradições dos esquimós.

É um drama melancólico, acentuado pelo frio do hemisfério norte com uma câmara fixa filmando as rotinas do casal num ambiente gélido.

"Adoro este tipo de histórias sobre o norte desde criança. Talvez esteja relacionado. Adoro filmar aquele tipo de silêncio. Fazer por exemplo filmes lento. Um local perfeito para filmar, para mim, é a Sibéria", destacou o realizador búlgaro Milko Lazarov, em declarações à Euronews

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Os grandes filmes dos Prémios do Cinema Europeu 2023

Monica Bellucci leva Maria Callas ao Festival de Cinema de Salónica

Realizador alemão Wim Wenders recebe Prémio Lumière em Lyon