Uma aldeia francesa que é uma cidade feita de arte de rua

Uma aldeia francesa que é uma cidade feita de arte de rua
Direitos de autor AFP
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O projeto, criado em 2015, sobrevive sem subsídios, alimentado pelas visitas pagas dos turistas.

PUBLICIDADE

Em França, há uma localidade com mais artistas por metro quadrado do que qualquer outra. Na pequena aldeia de Lurcy-Lévis, um antigo centro de telecomunicações tornou-se num espaço livre para graffiters e artistas de rua darem largas à imaginação.

A ideia de criar este espaço foi pensada pelo empresário Gilles Iniesta e pela mulher que lançaram a iniciativa em 2015.

"Quando os artistas chegam aqui ficam ao nosso cuidado. São alojados, têm comida, roupa e cama lavada. Temos uma empregada e uma cozinheira que tomam conta da residência. Damos-lhes todos os materiais de que necessitam: latas de tinta, tintas líquidas, andaimes, plataformas elevatórias, pincéis, rolos. Como costumo dizer: o artista traz a roupa e o talento. São colocados numa bolha de conforto e só têm de pensar numa uma coisa: em criar", explicou Gilles Iniesta.

A "Street Art City" é, acima de tudo, uma residência de artistas. O ponto alto da visita a este espaço é o "Hotel 128", com mais de uma centena de trabalhos expostos. Cada quarto foi tomado de assalto por um artista.

"Aqui temos tempo. Quando uma cidade nos chama é sempre preciso haver consenso. Quando pintamos para um cliente, temos de respeitar o que o cliente nos pede. Aqui temos muito mais liberdade, podemos ir longe e fazer o que realmente queremos fazer", sublinhou Ted Nomad, artista residente.

Em menos de cinco anos passaram pelo espaço mais de 300 artistas, de 60 nacionalidades diferentes.

O projeto, privado, sobrevive sem subsídios, alimentado apenas pelas visitas pagas dos turistas.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Pandemia adia a mais antiga exposição de arte

A exposição de Burtynsky na Saatchi Gallery "abre a cortina" sobre o impacto da humanidade na Terra

A floresta foi a inspiração da nova exposição do fotógrafo francês Vincent Munier