EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Artistas apostam cada vez mais na reciclagem de materiais

Scotland
Scotland Direitos de autor AP Photo
Direitos de autor AP Photo
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O flagelo do plástico ou a desflorestação são questões que preocupam, cada vez mais, os artistas, fazendo nascer projetos com materiais reciclados

PUBLICIDADE

A consciência ecológica, o problema dos resíduos plásticos e a desflorestação estão profundamente ancoradas na consciência dos artistas e designers.

Em Berlim, na Alemanha, numa loja estatal de produtos em segunda mão, muitos artistas e start-ups expõem as suas obras feitas de materiais reciclados.

A Upcycle Berlin tem uma secção onde mostra móveis, como camas, mesas e prateleiras, feitos de madeira grossa proveniente de estaleiros de construção.

A madeira, que seria deitada fora ou queimada, é recolhida pela Upcycle Berlin e reutilizada.

André Stücher, o responsável da Upcycle Berlin, explica o conceito: "Não é madeira nova, como a que se obtém no IKEA ou algo do género. Em vez disso, compramos madeira de construção antiga a empresas de construção que fazem projetos de engenharia. Usamos essa madeira por duas razões: em primeiro lugar, é um material sólido feito de pedaços inteiros de árvores. E não é tratada com quaisquer produtos químicos".

Stefan Tidow, Secretário de Estado do Ambiente e Proteção Climática de Berlim, explica: "Temos uma nova política de resíduos em Berlim. O objetivo é o desperdício zero. Isto significa que o melhor desperdício é o desperdício que nunca acontece. É por isso que queremos que as coisas que ainda são utilizáveis sejam utilizadas".

Na escócia, a artista Katrina Cobain voltou a atenção para os sacos de plástico. A ideia inicial era fazer um museu do plástico até ter percebido que quase tudo é feito de plástico e ter decidido concentrar-se nos sacos.

"Sentia que os aterros podiam ser as escavações arqueológicas do futuro e que, para a nossa civilização, seriam preenchidos com plástico, por isso comecei a recolher sacos de plástico, pois podem revelar muito sobre a nossa civilização e a nossa história social, muito sobre os últimos 60 anos em termos de consumismo e história social e também mudanças no design ao longo do tempo", diz.

É verdade que os sacos dizem muito sobre a nossa sociedade.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

E que tal um gin tónico a saber a Natal?

A Gamesummit 2024 prevê competições emocionantes, espetáculos e debates interessantes sobre jogos

"Tudo no Classic Violin Olympus é único!": uma entrevista com Pavel Vernikov