Bienal das Artes do Circo decorreu sem público em Marselha

Bienal das Artes do Circo decorreu sem público em Marselha
Direitos de autor AP Photo
De  Eurronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A Bienal Internacional das Artes do Circo decorreu na cidade francesa de Marselha. Apesar da falta de público, os artistas exibiram os seus trabalhos

PUBLICIDADE

Em França, como em muitos países europeus, os teatros estão fechados. No entanto, as artes performativas e os artistas de circo puderam encontrar-se durante alguns dias em Marselha para a BIAC - Bienal Internacional das Artes do Circo -, o maior evento mundial dedicado ao circo em todas as suas formas

Em 2019 mais de 110.000 pessoas assistiram à última edição, onde os artistas puderem mostrar os seus espetáculos a profissionais, gestores de locais ou gestores de festivais. Em plena pandemia, esta foi a única atividade que os artistas puderam desenvolver mas, desta vez, sem público.

Raquel Rache de Andrade, codiretora da Bienal conta como chegaram até aqui: "Começámos com um plano A, depois pensámos num plano B, depois num plano C, depois num plano D e, finalmente, decidimos fazer o plano E, que era uma Bienal para profissionais. Isso era possível, tínhamos o direito de o fazer".

Foi a oportunidade de os artistas viverem um tempo sem máscaras, mesmo que o público não esteja presente. O importante para eles é tocar e representar.

Já passou quase um ano desde que as digressões e atuações foram canceladas. Para aqueles cujo entretenimento e cultura são um meio de sobrevivência, o último ano tem sido difícil, como afirma o dançarino e coreógrafo Yoann Bourgeois: "É claro que a gestão desta crise teve um impacto extremamente violento nos poetas, artistas e nas pessoas que dedicam as suas vidas à cultura em geral. É uma grande violência, que define o que é essencial ou não essencial. "

Como ninguém sabe quando as artes performativas vão poder ser retomadas, em vez de se deter na paisagem sombria dos artistas, a BIAC está a tentar mostrar que a cultura é essencial, especialmente nestes tempos.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

A exposição de Burtynsky na Saatchi Gallery "abre a cortina" sobre o impacto da humanidade na Terra

A floresta foi a inspiração da nova exposição do fotógrafo francês Vincent Munier

"La tête froide", o filme que traz um olhar diferente sobre a migração