Filarmónica de Viena relembra "prazer de viajar" em concerto noturno de verão

Filarmónica de Viena relembra "prazer de viajar" em concerto noturno de verão
Direitos de autor  euronews
De  Andrea Bolitho  & Euronews

Uma viagem musical à volta do mundo para relembrar ao público o prazer de viajar. Assim se propôs, este ano, a Orquestra Filarmónica de Viena a abrir o jardim do Palácio de Schönbrunn, na capital austríaca, para o tradicional Concerto Noturno de Verão, subordinado ao tema "Wanderlust" ("prazer de viajar").

O regresso aos concertos presenciais é um marco, após mais um ano de restrições para viajar e atuar com público. O momento foi também marcante para o maestro Daniel Harding, a conduzir pela primeira vez este concerto.

"Depois de um ano em que todos estiveram realmente limitados na capacidade de viajar e visitar outros países, dissemos para terem experiências diferentes, usámos a música para nos lembrar como isso e belo. Escolhemos um programa de música com compositores de toda a Europa, dos Estados Unidos, da Rússia e no final vamos mesmo para além do nosso planeta. Graças a Gustav Holst vamos a Júpiter, que é descrito como o portador da alegria", revela o maestro.

Igor Levit tocou “Rapsódia sobre um Tema de Paganini”, de Sergei Rachmaninov, uma peça que, de acordo com o pianista russo-alemão, tem "alguns apontamentos humorísticos aqui e ali, mas é bastante sombria".

MUSICA / EURONEWS
Pianista Igor Levit, em VienaMUSICA / EURONEWS

O som único da Filarmónica de Viena é uma combinação de músicos talentosos, instrumentos atípicos e a herança deixada pelas lendas da orquestra, conforme salienta o seu presidente, Daniel Froschauer.

"Se tocasse na nossa orquestra em 1875, neste teatro, tocaria a ‘Aida’, com Guiseppe Verdi, ou ‘Crepúsculo dos Deuses’ com Richard Wagner. Estreámos as sinfonias de Brahms, Mahler, Gustav Mahler era o nosso maestro de ópera. Todos estes nomes formaram e moldaram o nosso som e esse som está na nossa memória coletiva e é transmitido de geração em geração".

MUSICA/EURONEWS
Maestro Daniel Harding, em VienaMUSICA/EURONEWS

O maestro Daniel Harding vai mais longe e compara a orquestra a "um grande carro".

"É uma orquestra perigosa de conduzir, porque vão reagir instantaneamente a tudo o que fizer, e ,como maestro, se se conseguir acertar e dançar com elA de uma forma que funcione, ela dá-nos o mundo, se se errare, é uma besta perigosa".

Uma valsa Strauss termina o concerto. O regresso a Viena e a casa, depois da desejada viagem, tem para Igor Levit um sabor especial, após as recentes dificuldades.

"Ninguém saiu deste ano ileso e por isso o que desejo é voltar a casa e às pessoas que realmente amo".