This content is not available in your region

As aventuras de Tintin em Lisboa

euronews_icons_loading
The first exhibition in Portugal dedicated to the author of Tintin
The first exhibition in Portugal dedicated to the author of Tintin   -   Direitos de autor  "Hergé" - Calouste Gulbenkian
De  Patricia Tavares

O mestre da Banda desenhada e os tesouros do Museu Hergé pela primeira vez em Lisboa. O belga Georges Prosper Remi via o mundo aos quadradinhos e ficou mais conhecido como Hergé: o som das iniciais do seu nome: "R" e "G".

A partir de 1929, foi com elas que assinou "As Aventuras de Tintin" - uma série de BD com aventuras em papel que conquistou o público mundial. É a primeira exposição em Portugal dedicada ao autor de Tintin e está aberta ao público na Fundação Calouste Gulbenkian

Nick Rodwell é o administrador da empresa Moulinsart S.A. que representa agora a antiga Fundação Hergé e que gere os direitos da obra do artista belga desde 1987 acredita que esta exposição é uma surpresa para o público.

Aqui é surpreendente ver outras personagens porque estamos todos tão obcecados pelo Tintin e, de repente, somos confrontados com outras histórias, mas é bom surpreender o visitante da exposição. E a partir daí vamos para a sala ao lado, que tem toda a publicidade que RG criou. Falamos de cartazes para turismo, dos seus desenhos para capas de livros, ilustrações para livros e isto vai surpreender as pessoas porque a maioria ficou presa à imagem de Tintin e não conseguia imaginar que RG se tivesse envolvido em tudo isto, mas ele era muito multifacetado; procurava caminhos diferentes e precisava de ser estimulado, precisava de ser inspirado e foi em direção à publicidade.
Nick Rodwell
Moulinsart S.A., antiga Fundação Hergé

As salas da exposição revelam vários ângulos do autor, desde a ilustração até à banda desenhada, passando pela publicidade, imprensa, design de moda e belas artes. Com um estilo próprio, era considerado um talento narrativo da banda desenhada, escrevendo romances em imagens aos quadradinhos.

A exposição na Gulbenkian segue a sua "linha clara" e acompanha as várias fases do artista, desde os desenhos a preto e branco até às aventuras repletas de cor. Hergé morreu em 1983, aos 76 anos. É possível revivê-lo em Lisboa até 10 de janeiro de 2022.