This content is not available in your region

Primeiro pavilhão uzebeque na Bienal de Veneza quer facilitar intercâmbio criativo

Primeiro pavilhão uzebeque na Bienal de Veneza quer facilitar intercâmbio criativo
Direitos de autor  euronews
De  euronews

Pela primeira vez, o Uzbequistão apresenta-se na Bienal de Veneza com um pavilhão próprio.

Em vez de uma exposição clássica, o país criou uma plataforma que funciona como um ponto de partida para conversas, troca de conhecimentos e aprendizagens.

"É um grande prazer ver que o Pavilhão Nacional do Uzbequistão facilita o intercâmbio criativo entre artistas e músicos, tanto do Uzbequistão como do estrangeiro. A Bienal é uma oportunidade, para todos nós, de nos reunirmos e cooperarmos. Os líderes da República do Uzbequistão têm o prazer de promover este espírito de colaboração", afirmou Saida Mirziyova, vice-Presidente do Conselho da Fundação para o Desenvolvimento da Arte e da Cultura da República do Uzbequistão (ACDF).

A edição 2022 da Bienal de Veneza intitula-se "O Leite dos Sonhos" e conta com oitenta países participantes.

Uma componente pedagógica

Os responsáveis pelo pavilhão uzbeque valorizam a componente pedagógica. "O programa educacional é a essência do nosso pavilhão. Vamos convidar curadores, artistas e historiadores para trabalhar com os artistas uzbeques e criar uma atmosfera vibrante de envolvimento, de apoio mútuo de modo a construir um lugar de conhecimento onde todos podemos aprender uns com os outros. É como um lugar meditativo onde cada um sente que pode naturalmente expor os seus conhecimentos, para aprender e retribuir", explicou Gayane Umerova, diretora executiva da Fundação de Desenvolvimento da Arte e da Cultura da República do Uzbequistão (ACDF).

Homenagem ao matemático al-Khwarizmi

No pavilhão uzbeque, a secção intitulada "O jardim do conhecimento" segue a antiga tradição islâmica do jardim como local de encontro e troca. Um património cultural e científico que tem desempenhado um papel importante no trabalho do curador Josef Grima.

"O Pavilhão do Uzbequistão é uma reflexão sobre o trabalho de um importante polimaturgo e cientista matemático do século IX chamado al-Khwarizmi. Ele deixou um legado extremamente impressionante, incluindo no campo da ciência da computação. A palavra algoritmo é uma referência ao Uzbequistão, no sentido em que vem do algoritmo do nome latino de al-Khwarizmi, que era da região Khwārezm do Uzbequistão. E esta ideia de que, de facto, as coisas que tomamos como certas têm muito mais camadas de significado e muitas ligações com outras culturas e outros sítios é algo profundamente fascinante", sublinhou Josef Grima.

euronews
Música uzbeque com algoritmoseuronews

Foi também através dos algoritmos que os instrumentos do compositor Charli Tapp e do músico uzbeque Abror Zufarov comunicaram durante um espetáculo na Bienal de Veneza. Um concerto algorítmico infinito que será enriquecido pelo trabalho de outros músicos convidados a tocar durante os próximos meses na Bienal de Veneza.