EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Editora Jarring Effects comemora 25 anos de música independente

Jarring Fest em Villeurbanne
Jarring Fest em Villeurbanne Direitos de autor Frédéric Ponsard, euronews
Direitos de autor Frédéric Ponsard, euronews
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

No bairro da Croix-Rousse, em Lyon, a editora Jarring Efects mantém a chama da música independente viva, incentivando os artistas a produzirem as suas músicas e a fazerem a música de que gostam. Para celebrar 25 anos de existência, a editora organiza um festival este fim de semana em Villeurbanne.

PUBLICIDADE

No bairro da Croix-Rousse, em Lyon, a editora Jarring Efects mantém a chama da música independente viva, incentivando os artistas a produzirem as suas músicas e a fazerem a música de que gostam. Para celebrar 25 anos de existência, a editora organiza um festival este fim de semana em Villeurbanne, Capital Francesa da Cultura 2022.

"A Jarring Effects, como a apresentamos em relação à nossa programação do Jarring Fest(ival), são 27 anos de "ativismo pela música". O que nos caracteriza é que não estamos à procura da música da moda ou mainstream, mas a defender os nossos artistas, o que amamos. Não estamos fechados em caixas. Pelo contrário gostamos de quebrar um pouco os códigos. É realmente uma abertura de espírito para acolher o máximo de artistas ao associar precisamente essa música eletrónica a estilos que vão do techno à música urbana, e também, diremos à 'música do mundo'", afirma o gestor da editora, Mr Mo. 

Entre os principais artistas da Jarring Effects, encontra-se a Sociedade Recreativa, do Brasil, "'áudio ativista" que se opõe fortemente a Bolsonaro.

No princípio, a editora começou por trabalhar com grupos de Lyon, como Le Peuple de L'Herbe ou High Tone, símbolo da música Dub, em França e na Europa, no final dos anos 90.

“Sempre trabalhámos com pessoas do bairro... é a base, mas ao mesmo tempo sempre quisemos abrir-nos ao cenário internacional e, em particular, os primeiros países com os quais trabalhamos foram a Bósnia e Herzegovina e a África do Sul. O eixo internacional e a cooperação entre, precisamente, todas as pessoas que defendiam uma nova forma de fazer música e outra forma de estar juntos... e procurámos diretamente essas pessoas em todo o mundo", diz Céline Frezza, diretora artística. 

São muitos os artistas que vão atuar no Jarring Fest, este fim de semana em Villeurbanne, incluindo um dos mais famosos DJs de Lyon, a DJ Flore, que vai partilhar o palco com a DJ Glitter55, juntando techno, house, dub e música de outros continentes.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Poetisa romena Ana Blandiana vence o Prémio Princesa das Astúrias de Literatura 2023

Pára, colabora e vota! Spotify está a encorajar os cidadãos a votar nas eleições europeias

Cannes 2024: 'Anora', uma 'Pretty Woman' do século XXI