BBC acusada de não ser imparcial na cobertura da coroação de Carlos

O grupo antimonárquico Republic protesta contra a coroação do Rei Carlos III e acusa a BBC de falta de imparcialidade na sua cobertura.
O grupo antimonárquico Republic protesta contra a coroação do Rei Carlos III e acusa a BBC de falta de imparcialidade na sua cobertura. Direitos de autor Republic - AFP - Getty
Direitos de autor Republic - AFP - Getty
De  David Mouriquand
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Os antimonárquicos do grupo Republic acusam a BBC de falta de imparcialidade na cobertura da coroação do Rei Carlos III, que decorre a 6 de maio

PUBLICIDADE

Enquanto muitos se preparam para celebrar a coroação do Rei Carlos III, no próximo mês, o "Republic"  grupo anti-monárquico britânico, acusou a BBC de falta de imparcialidade na sua cobertura.

O grupo que afirma querer "ver a monarquia abolida e o Rei substituído por um chefe de Estado eleito e democrático", acusou a emissora de nunca responsabilizar a monarquia.

O grupo enviou uma carta a David Jordan, o responsável editorial da BBC, dizendo que a queixa é "particularmente urgente à luz da próxima coroação".

O Republic acusa a BBC de não "dar voz a um equilíbrio razoável de pontos de vista sobre a questão".

O chefe executivo do grupo, Graham Smith, afirma na carta que "as provas sugerem que a BBC não só não é imparcial, como não faz qualquer tentativa de ser imparcial ou equilibrada e, o mais chocante, conspira abertamente com o palácio na sua cobertura".

As provas sugerem que a BBC não só não é imparcial, como não faz qualquer tentativa de ser imparcial ou equilibrada e, o mais chocante, conspira abertamente com o palácio na sua cobertura.
Graham Smith
Chefe executivo do grupo Republic

"Deve ser uma fonte de profunda vergonha para todos os envolvidos que, em vez de uma informação  destemida, tenhamos uma cobertura insípida, vazia e desonesta de uma BBC que teme o opprobrium público e a influência palaciana".

A carta faz referência a uma recente sondagem do YouGov que revela que a maioria dos britânicos não está interessada na coroação. No inquérito a mais de 3.000 adultos realizado este mês, 35% disseram que "não lhes interessa muito" o evento, e 29% disseram que não lhes interessa de todo.

"Uma recente sondagem do YouGov mostrou que apenas 15% do público está entusiasmado com a coroação, com uma maioria não interessada. A cobertura da BBC irá sugerir o oposto", afirma Smith.

"O apoio à abolição da monarquia subiu mais de 30% e o apoio à monarquia entre as pessoas com menos de 40 anos desceu abaixo dos 50%. Contudo, nada disso se reflete na cobertura da BBC", alega.

Em resposta, disse um porta-voz da BBC: "Acreditamos que a nossa reportagem é justa e devidamente imparcial, e a BBC News procura sempre reflectir um leque de pontos de vista na nossa cobertura real".

O que é o Republic e o  #NotMyKing?

O grupo antimonárquico tem apelado ao fim do sistema de monarquia constitucional do Reino Unido e acredita que a função pública hereditária vai contra todos os princípios democráticos.

O movimento ganhou impulso desde a morte da Rainha Isabel II, e o hashtag #NotMyKing tem feito manchetes nos meios de comunicação social desde então.

O Republic foi fundado como grupo de pressão em 2006 e é uma organização membro da Common Cause - a aliança dos movimentos republicanos na Commonwealth - bem como da Aliança dos Movimentos Republicanos Europeus, com sede em Estocolmo. Atualmente é chefiado por Peter Cafferkey.

O grupo protestou contra o casamento real do Príncipe Guilherme e da Princesa Catarina em 2011 e contra o casamento do Príncipe Harry e Meghan Markle em 2018.

Após a morte da Rainha, foram erguidos cartazes antimonárquicos em 18 cidades do Reino Unido e vários bairros de Londres. Cada um dos outdoors apresentava um hashtag #NotMyKing juntamente com uma fotografia do Rei Carlos, uma iniciativa que coincidiu com o apelo do financiamento do Republic. Em outubro de 2022, o grupo disse que os seus membros estavam a crescer rapidamente e que se esperava que o seu rendimento atingisse as 250 mil libras em 2022.

Republic.org.uk
Cartazes como este surgiram em várias cidades do Reino Unido, após a morte da rainha Isabel IIRepublic.org.uk

O grupo também realizou protestos que incluíram vaiar Carlos e Camilla no mês passado, bem como um protesto antimonárquico em Londres, perto da Abadia de Westminster, por ocasião do Dia da Commonwealth - a celebração anual das Nações da Commonwealth, que se celebra desde 1977.

O grupo levava estandartes onde se lia "Not My King", "Down with the Crown" e "Racist Royal Family".

O Republic pretende protestar no dia da coroação na Abadia de Westminster a 6 de maio. O seu website oferece merchandising para os protestos, bem como um compromisso de protesto, no qual se afirma: "este é o momento em que fazemos a nossa objeção em voz alta, de forma visível e impossível de ignorar".

PUBLICIDADE

Estabeleceram uma rota para o protesto e pedem àqueles que se juntam a eles que usem amarelo - e se as pessoas trouxerem o seu próprio cartaz, que o façam "texto preto sobre um fundo amarelo, se puderem!

A República está à espera de mais de mil pessoas no próximo protesto.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Foto comovente de Gaza vence o World Press Photo

Lennon e McCartney estão de volta, mas não é o que está a pensar

Último quadro de Caravaggio vai ser exposto pela primeira vez em 20 anos