Fotógrafo recusa prémio por imagem ter sido gerada por inteligência artificial

Esta imagem foi gerada por inteligência artificial
Esta imagem foi gerada por inteligência artificial Direitos de autor Photo Edition Berlin - Boris Eldagsen
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

O fotógrafo alemão Boris Eldagsen recusou o prémio que lhe foi atribuído nos Sony World Photography Awards (SWPA), uma vez que a sua imagem foi criada por inteligência artificial (IA). A imagem intitulada The Electrician ganhou o primeiro prémio na Categoria Creative do concurso.

PUBLICIDADE

O fotógrafo alemão Boris Eldagsen recusou o prémio que lhe foi atribuído nos Sony World Photography Awards (SWPA), uma vez que a sua imagem foi criada por inteligência artificial (IA). A imagem intitulada The Electrician ganhou o primeiro prémio na Categoria Creative do concurso.

O retrato de duas mulheres que parece ter sido captado por um processo fotográfico dos primórdios foi, afinal, gerada por IA, usando o programa DALL-E 2. Eldagsen quis deixar claro este facto e optou por recusar o prémio, explicando que quis testar se “as competições estão preparadas para imagens de IA. Não estão".

“Ao participar em open calls, quero agilizar o processo dos organizadores do Prémio para se consciencializarem dessa diferença e criar competições separadas para imagens geradas por IA”, disse Eldagsen.

“As imagens de IA e a fotografia não devem competir entre si num prémio como este. São entidades diferentes. IA não é fotografia”, escreveu Eldagsen no seu site. “Portanto, não aceitarei o prémio.”

“Ao recusar o prémio, espero acelerar esse debate.”

Photo Edition Berlin - Boris Eldagsen
Boris Eldagsen e a imagem que gerou no programa de IA DALL-E 2Photo Edition Berlin - Boris Eldagsen

"The Electrician" faz parte de uma série de Eldagsen chamada "pseudomnesia", o termo latino para "memória falsa". As imagens são “memórias falsas de um passado, que nunca existiu, que ninguém fotografou”, criadas ao colocá-las em geradores de imagem de IA entre 20 e 40 vezes, diz Eldagsen no seu site.

“Fotografo desde 1989. Após duas décadas de fotografia, o meu foco artístico mudou para explorar as possibilidades criativas dos geradores de IA”, escreveu Eldagsen no seu site. “O trabalho que os SWPA escolheram é o resultado de uma complexa interação de engenharia de prompt, retoque e outpainting que se baseia na minha riqueza de conhecimento fotográfico. Para mim, trabalhar com geradores de imagens de IA é uma cocriação, na qual sou o diretor. Não se trata de apertar um botão e pronto.”

Isto ocorre num momento em que sites de geração de imagens de IA, como DALL-E, Midjourney e Stable Diffusion, cresceram em popularidade. Os utilizadores podem solicitar aos sites que criem obras de arte ao estilo de um determinado artista ou imagens de eventos que nunca aconteceram, originando imagens deepfake ou a edição de imagens existentes.

A vitória de Eldagsen foi controversa, com os fotógrafos a criticarem o facto de que uma imagem criada sem nenhuma câmara ter conseguido obter um prémio de fotografia, em detrimento de fotógrafos reais.

Até agora, a Organização Mundial da Fotografia permaneceu em silêncio sobre o assunto.

Uma exposição dos vencedores e das imagens finalistas do Sony World Photography Awards deste ano acontece na Somerset House, Londres, até 1 de maio de 2023.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Exemplar raro de banda desenhada com a estreia do Super-Homem vendido por valor recorde de 5,5 milhões de euros

Alec Baldwin "não tinha controlo" sobre as suas emoções no cenário de "Rust", dizem os procuradores

Chechénia proíbe música demasiado rápida ou demasiado lenta