Fox News paga à Dominion 787 milhões de dólares por fraude eleitoral

A televisão e a Dominion chegaram a acordo extrajudicial
A televisão e a Dominion chegaram a acordo extrajudicial Direitos de autor Julio Cortez/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
Direitos de autor Julio Cortez/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

O acordo extrajudicial de $787 milhões (€ 729 milhões) que a Fox vai pagar à Dominion Voting Systems é um dos maiores acordos financeiros de todos os tempos num caso de difamação.

PUBLICIDADE

O acordo extrajudicial de $787 milhões (€ 729 milhões) que a Fox vai pagar à Dominion Voting Systems é um dos maiores acordos financeiros de todos os tempos num caso de difamação.

O caso embaraçou a Fox News por vários meses e levantou a possibilidade de o fundador da rede, Rupert Murdoch, e estrelas como Tucker Carlson e Sean Hannity terem de testemunhar publicamente.

O impressionante acordo também encerra um julgamento que poderia ter trazido informações adicionais sobre as mentiras eleitorais do ex-presidente Donald Trump, mas que acabou por revelar mais sobre como a televisão de direita opera e até redefiniu a lei de difamação nos EUA.

Sem desculpas

Além dos milhões prometidos à Dominion, que tem sede no Colorado, não era claro quais outras consequências a Fox enfrentaria.

Num comunicado, a Fox reconheceu “as decisões do tribunal que consideram certas alegações sobre a Dominion falsas”, mas não pediu desculpas.

“Temos esperança de que a nossa decisão de resolver esta disputa com a Dominion amigavelmente, em vez da amargura de um julgamento divisivo, permita que o país avance em relação a estas questões”, disse a Fox.

A Fox News falou pouco na sua emissão sobre o acordo. Os apresentadores Tucker Carlson e Sean Hannity, que deveriam testemunhar no julgamento da Dominion, não o mencionaram.

Enquanto isso, a Fox gozou com as audiências da CNN em resposta aos comentários do apresentador da CNN, Jake Tapper, que se riu ao ler a declaração da Fox News sobre o acordo.

"Desculpem. Vai ser difícil dizer isto com uma cara séria”, disse Tapper durante o seu programa “The Lead”. Designou o acordo como um dos “momentos mais embaraçosos” da história do jornalismo.

Numa declaração ao The Hill, a Fox respondeu: “Não podemos olhar para as péssimas audiências da CNN sem nos rirmos e temos a certeza de que os acionistas da Warner Bros. Discovery sentem o mesmo”.

O julgamento também não teve nenhum efeito aparente nas audiências da Fox News. Continua a ser a televisão da cabo com melhor desempenho.

E há poucos sinais de que o caso tenha mudado a direção editorial da Fox. A Fox "abraçou" Trump mais uma vez nas últimas semanas, após a acusação do ex-presidente por um grande júri de Manhattan.

Sem responsabilidade pública

Tem havido críticas crescentes de que o acordo permite que aqueles com dinheiro escapem da responsabilidade pública. Brian Stelter, um repórter que escreveu extensivamente sobre a Fox, twittou após o acordo: “Poderíamos argumentar que a Dominion vence, mas o público perde”.

Um impedimento para espalhar desinformação?

Juntamente com outros processos em curso, o acordo mostra que há um risco financeiro real para os media conservadores que geram tráfego online com teorias da conspiração.

A Fox ainda enfrenta um processo por difamação de outra empresa de sistemas eleitorais, a Smartmatic. O seu advogado, Erik Connolly, disse na terça-feira que “o litígio da Dominion expôs parte da má conduta e danos causados pela campanha de desinformação da Fox. A Smartmatic irá expor o resto.”

Mesmo quando o caso Dominion ganhou relevo nesta primavera, Tucker Carlson, da Fox, expôs as suas teorias alternativas sobre o que aconteceu na insurreição de 6 de janeiro de 2021.

Se alguém vai enfrentar consequências por divulgar declarações falsas também não está claro.

Após o acordo, Chris Stirewalt, ex-editor político da Fox News que foi demitido após ter atribuído corretamente a vitória nas eleições de 2020 a Joe Biden, disse à Semafor: “O que me interessa ver é: como é o pedido de desculpas? Quem é demitido? Quais são as consequências dentro da empresa?”

PUBLICIDADE

Leis de difamação intactas

Se o caso tivesse ido a julgamento, também teria sido um dos testes mais severos a um padrão de difamação que protegeu os media por mais de meio século.

Na sua defesa, a Fox baseou-se numa doutrina da lei de difamação que está em vigor desde uma decisão de 1964 do Supremo Tribunal dos EUA. A doutrina tornou difícil para alguns queixosos provar a difamação pelos meios de comunicação. Figuras públicas (incluindo a Dominion neste caso) têm que provar não apenas que a informação relatada estava incorreta, mas que a organização de notícias agiu com “desrespeito imprudente” sobre se era verdade ou não.

Alguns defensores da Primeira Emenda sugeriram que a empresa de máquinas de votação tinha um forte argumento, mas temiam que uma batalha legal prolongada desse ao Supremo Tribunal a hipótese de mudar as leis de difamação que enfraqueceriam a proteção para todos os meios de comunicação.

O padrão legal de quase seis décadas também foi atacado por alguns conservadores nos últimos anos, incluindo Trump e o governador republicano Ron DeSantis, da Flórida, que defendem facilitar a vitória em casos de difamação.

"A maior importância do acordo... é que o alto nível de proteção para os media num caso de difamação permanece intacto por enquanto", disse Doreen Weisenhaus, professora de lei dos media na Northwestern University.

PUBLICIDADE
Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

"The Tortured Poets Department" de Taylor Swift: o nosso veredito

Foto comovente de Gaza vence o World Press Photo

Lennon e McCartney estão de volta, mas não é o que está a pensar