Programas de televisão em direto suspensos por uma semana nos EUA

Piquete de greve à porta dos escritórios da Netflix, em Los Angeles, EUA
Piquete de greve à porta dos escritórios da Netflix, em Los Angeles, EUA Direitos de autor Damian Dovarganes/AP
De  Teresa Bizarro com Agências
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Greve dos escritores de televisão e cinema faz as primeiras baixas na indústria do entretenimento norte-americana

PUBLICIDADE

Não há novas edições dos programas noturnos da televisão norte-americana esta semana. É a primeira consequência da greve dos argumentistas e autores, nos Estados Unidos. 

Mais de 11 mil profissionais iniciaram esta terça-feira uma paralisação por tempo indetermionado. É a primeira greve em 15 anos- década e meia que mudou o panorama audiovisual, sem que a legislação tenha acompanhado.

Os autores não querem só um aumento salarial, querem ser compensados qualquer que seja a plataforma onde o trabalho é apresentado.

Janice Min, directora executiva da publicação The Ankler explica que "há vários anos que os guionistas têm vindo a ganhar cada vez menos dinheiro com aquilo que, na longa tradição de Hollywood, se chamam direitos residuais".  Esta é uma compensação por cada vez que um programa vai para o ar na televisão tradicional mas que não tem espelho na forma com as plataformas de streaming disponiblizam os conteúdos. "Se a Netflix difunde um programa; se as pessoas estão a ver o programa um milhão de vezes na Netflix, o autor não está a ser compensado proporcionalmente, como nos bons velhos tempos da televisão dos anos 90. E, por isso, os pagamentos têm sido cada vez mais pequenos," adianta Min.

Com o streaming, os escritores recebem simplesmente um pagamento anual fixo - mesmo que o seu trabalho gere um sucesso estrondoso como "Bridgerton" ou "Stranger Things", visto por centenas de milhões de espectadores em todo o mundo.

A associação que representa os estúdios e plataformas de distribuição de conteúdos, como a Disney ou a Netflix, argumenta que as pressões económicas determinam uma redução dos custos.  Na última vez que os argumentistas norte-americanos pousaram as canetas, em 2007, a greve durou 100 dias e custou à indústria do entretenimento cerca de 2 mil milhões de dólares.

Reivindicações "razoáveis"

"Os argumentistas criam tudo o que se vê. Somos a base do conteúdo que as pessoas adoram e apreciam e com o qual os nossos empregadores lucram," afirma Danny Strong, escritor vencedor de um Emmy. 

"O que está actualmente em causa é que o streaming mudou completamente o panorama dos meios de comunicação social. "Há menos canais de distribuição e são controlados por menos empresas, pelo que perdemos uma grande parte das nossas receitas," acrescenta o autor da série "Dopesick".

Os apresentadores dos talk shows noturnos da televisão norte-americana como Steven Colbert e Jimmy Fallon manifestaram apio público aos argumentistas, com Colbert a dizer que as suas exigências não eram "irracionais".

"Eu apoio os meus argumentistas, temos muito pessoal e equipa que serão afectados, mas eles têm de conseguir um acordo justo," afirmou Jimmy Fallon.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Obra-prima de Bernini no Vaticano alvo do primeiro grande restauro em 250 anos

Martin Scorsese recebeu Urso de Ouro honorário na Berlinale

Ridley Scott pode realizar filme biográfico dos Bee Gees