EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

O mural da discórdia em Mariupol

Imagem
Imagem Direitos de autor AFP
Direitos de autor AFP
De  Alberto De Filippis
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Artista de rua italiano utilizou uma imagem falsa de uma criança vítima da guerra para o seu mural em Mariupol

PUBLICIDADE

Ciro Cerullo é um artista de rua italiano conhecido pelo pseudónimo Jorit. A sua obra está presente em murais que vão da sua cidade natal, Nápoles, a Belém, na Cisjordânia e agora também Mariupol, cidade ucraniana controlada pelos separatista de Donetsk.

É precisamente esta imagem, que retrata uma criança após vários anos de guerra, que está na origem da última polémica. O italiano diz que se inspirou numa menina local, mas será assim?

Quem é aquela rapariga?

O mural em si já tinha gerado polémica porque reflecte a visão do artista sobre o conflito na Ucrânia. O próprio artista diz que mostra o sofrimento das crianças após "oito anos de bombardeamentos de Kiev e do medo de batalhões nazis".

No entanto, agora surgiu um pormenor importante. A rapariga retratada no edifício não é "uma rapariga de Donbass que viveu os seus primeiros anos imersa na guerra", como afirma o artista de rua napolitano, mas sim uma rapariga australiana.

Jorit utilizou uma fotografia tirada há anos pela mãe da rapariga, que por acaso é uma fotógrafa profissional premiada. Escusado será dizer que a fotografia está protegida por direitos de autor.

Jorit não me pediu permissão para reproduzir a imagem nem me compensou de qualquer forma
Helen Whittle
Fotógrafa

Helen Whittle, a autora da fotografia, deixou bem claro o descontentamento sobre o assunto: "Foi angustiante e doloroso para mim ver a minha imagem copiada e utilizada desta forma. Jorit não me pediu autorização para reproduzir a imagem nem me compensou", acrescentando "não dei qualquer autorização para a reprodução e estou a pedir conselhos aos meus advogados sobre o que fazer".

O que pesa, ainda mais, é a forma como Jorit utilizou a imagem: "As minhas ideias e opiniões não estão de forma alguma alinhadas com as deste artista." Na verdade, ele abraçou efetivamente a comunicação pró-Kremlin.

Nos últimos anos, Jorit tornou-se muito famoso em toda a Itália por alguns murais que criou em diferentes cidades, incluindo vários na sua cidade natal, Nápoles. Entre eles, um dedicado a San Gennaro e outro a Diego Armando Maradona. Todos os retratos de Jorit, incluindo o de Mariupol, têm um pormenor que os torna altamente reconhecíveis: duas riscas vermelhas nas bochechas.

Jorit já reagiu às acusações e através de uma publicação no Instagram, admitiu que se tinha inspirado na fotografia da australiana para as tranças e a camisola mas que a criança era de Donbass. Sublinhou no entanto que o importante para ele era chamar a atenção para o sofrimento ignorado da população local.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Anora de Sean Baker vence Palma de Ouro em Cannes. Miguel Gomes recebe Melhor Realização com Grand Tour

Poetisa romena Ana Blandiana vence o Prémio Princesa das Astúrias de Literatura 2023

Pára, colabora e vota! Spotify está a encorajar os cidadãos a votar nas eleições europeias