EventsEventos
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Como o 11 de setembro mudou os filmes, a música e os livros

O cartaz do filme "World Trade Center" de Oliver Stone
O cartaz do filme "World Trade Center" de Oliver Stone Direitos de autor Paramount Pictures
Direitos de autor Paramount Pictures
De  Jonny Walfisz
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

11 de setembro de 2001: como os atentados chocaram e mudaram o mundo, com reflexo, nomeadamente, no mundo das artes.

PUBLICIDADE

Neste dia, em 2001, quatro aviões de passageiros foram desviados por terroristas da Al-Qaeda. Dois deles embateram contra as Torres Gémeas do World Trade Center, em Nova Iorque. Um outro foi atirado contra o Pentágono, enquanto o último avião se despenhou num campo na sequência de uma revolta dos passageiros. Os atentados mataram 2 977 civis, para além dos 19 terroristas envolvidos.

Os ataques, planeados por Osama bin Laden, instigaram a guerra de duas décadas contra o terrorismo, que incluiu a invasão do Iraque e do Afeganistão pelos EUA. Estima-se que cerca de 4,6 milhões de pessoas tenham sido mortas em resultado da guerra contra o terrorismo.

A nível cultural, o 11 de setembro também teve um enorme impacto nas artes. Após uma década de 90 relativamente pacífica a nível mundial, os atentados provocaram uma atmosfera de ansiedade aos EUA. O terrorismo tornou-se um medo comum, enquanto muitos muçulmanos nos países ocidentais viveram décadas de islamofobia crescente.

Muitas obras de arte foram afetadas nos primeiros tempos depois dos ataques. Foram adiadas muitas obras que incluíam referências visuais às torres destruídas ou que apresentavam cenas de atos terroristas em aviões ou em Nova Iorque.

Um exemplo famoso foi o filme de animação da Disney "Lilo & Stitch". Originalmente, o filme tinha uma cena em que muitas das personagens sequestravam um Boeing 747 e o faziam passar pelo centro de Honolulu. A cena foi editada para substituir o avião por uma nave espacial alienígena.

A 53.ª edição dos Primetime Emmy Awards foi adiada de 16 de setembro para 6 de outubro, mas voltou a ser adiada para 4 de novembro quando os EUA começaram a bombardear o Afeganistão na segunda data.

As imagens das Torres Gémeas foram retiradas dos trailers e dos cartazes do próximo filme do "Homem-Aranha", enquanto o filme de Martin Scorsese, "Gangs de Nova Iorque" (Gangs of New York), foi adiado um ano para ser lançado em dezembro de 2002.

Na música, o primeiro álbum de estúdio da banda de indie rock The Strokes, "Is This It", teve o seu lançamento nos EUA adiado, tendo a canção "New York City Cops" sido substituída por "When It Started", devido ao receio de que o público americano não apreciasse a letra que criticava os polícias da cidade.

Existem muitos outros exemplos de alterações semelhantes. Mas o impacto do 11 de setembro continuou durante a década de 2000 e mais além. Os romancistas abordaram a forma como os ataques alteraram o estado de espírito nacional, desde o romance "O homem em queda" (Falling Man) de Don DeLillo, publicado em 2007, até à estreia precoce de Jonathan Safran Froer com "Extremamente Alto e Incrivelmente Perto" (Extremely Loud & Incredibly Close), em 2005.

No cinema, o filme de Oliver Stone "World Trade Center ", de 2006, protagonizado por Nicolas Cage, foi tão previsivelmente agressivo e manipulador quanto se poderia imaginar. Uma melhor tentativa de encontrar humanidade no acontecimento veio de "Voo 93_"_(United 93), de Paul Greengrass, que se centrou na revolta dos passageiros do quarto avião e foi realizado com a colaboração das famílias dos passageiros.

A ansiedade e o patriotismo violento que se seguiram aos ataques nos EUA foram bem captados - intencionalmente ou não - pelo filme de Clint Eastwood, "Sniper Americano" (American Sniper), de 2014, uma história biográfica sobre a vida de Chris Kyle, o atirador mais mortífero da história militar dos Estados Unidos.  

O filme "Estado de Guerra" (The Hurt Locker), realizado por Katheryn Bigelow, aborda o conflito no Iraque, questionando o lado vicioso da batalha. Conquistou seis Óscares, entre eles o de melhor filme.

Talvez o filme que melhor capte a mudança que o 11 de setembro criou não seja dos EUA. O filme "Quatro Leões" (Four Lions), de 2010, do comediante britânico Chris Morris, retrata um grupo de potenciais terroristas ineptos que planeiam um ataque à Maratona de Londres. Com Riz Ahmed como protagonista, o filme capta na perfeição a loucura do extremismo e a atmosfera islamofóbica no Reino Unido.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

O álbum mais raro do mundo pode finalmente ser ouvido... se for à Austrália

"L'amour toujours": como uma canção de amor se tornou numa canção de ódio da direita na Alemanha

Festival de Cinema de Cannes 2024 em fotos: 15 momentos inesquecíveis na passadeira vermelha