EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Documentário premiado "20 Days in Mariupol" apresentado na ONU

Daisy Veerasingham, presidente e directora executiva da AP, e Julie Pace, vice-presidente sénior e editora executiva da AP, assistem ao documento na sede da ONU
Daisy Veerasingham, presidente e directora executiva da AP, e Julie Pace, vice-presidente sénior e editora executiva da AP, assistem ao documento na sede da ONU Direitos de autor Eduardo Munoz Alvarez/AP
Direitos de autor Eduardo Munoz Alvarez/AP
De  David MouriquandAP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

"Queremos reafirmar o nosso compromisso com os valores da ONU e é, por isso, que decidimos mostrar este documentário tão importante".

PUBLICIDADE

Mais de uma centena de embaixadores, jornalistas e representantes de um vasto espetro da sociedade assistiram na segunda-feira à noite à projeção na ONU do premiado documentário 20 Days in Mariupol, que segue um trio de jornalistas da Associated Press durante o cerco implacável da Rússia à cidade portuária ucraniana nos primeiros dias da guerra.

A embaixadora britânica Barbara Woodward, coanfitriã da projeção, afirmou que o filme é importante porque "a invasão russa da Ucrânia ameaça aquilo que a ONU defende: uma ordem internacional em que a soberania e a integridade territorial de todos os países são fundamentais".

"Queremos reafirmar o nosso compromisso com os valores da ONU, e é por isso que escolhemos mostrar este documentário tão importante", disse Woodward, ao receber o público na sede da ONU, em Nova Iorque.

A projeção aconteceu no início da 78ª sessão da Assembleia Geral da ONU e uma semana antes da chegada dos líderes mundiais para a sua reunião anual, onde se espera que a guerra de mais de 18 meses na Ucrânia esteja no centro das atenções - especialmente porque está agendado que o presidente ucraniano Volodymyr Zelenskyy fale pessoalmente pela primeira vez.

Eduardo Munoz Alvarez/AP
O jornalista da Associated Press, Mstyslav Chernov, transmite uma mensagem desde a Ucrânia antes da exibição do premiado documentário "20 Days in Mariupol"Eduardo Munoz Alvarez/AP

A embaixadora dos EUA na ONU, Linda Thomas-Greenfield, a outra coanfitriã, disse que 20 Days in Mariupol documenta "os horrores da guerra de agressão de Putin".

"Estamos aqui esta noite para testemunhar estes horrores e para reafirmar o nosso compromisso com a justiça e a paz", disse. "Temos de continuar a pedir contas à Rússia pelas suas atrocidades. Temos de continuar a apoiar o povo ucraniano nos seus momentos de necessidade".

Eduardo Munoz Alvarez/AP
O embaixador da Ucrânia na ONU, a embaixadora dos EUA nas Nações Unidas e a embaixadora do Reino Unido assistem ao documentárioEduardo Munoz Alvarez/AP

O documentário é uma compilação de 30 horas de filmagens feitas pelo jornalista da AP Mstyslav Chernov e os seus colegas em Mariupol, após a invasão russa da Ucrânia em 24 de fevereiro de 2022 e o seu cerco à cidade. Documenta os combates nas ruas, a pressão esmagadora sobre os residentes e as equipas médicas de Mariupol e os ataques que mataram mulheres grávidas, crianças e outras pessoas.

É a primeira longa-metragem de Mstyslav Chernov e um trabalho essencial de jornalismo e documentário.

O filme estreou este ano no Festival de Cinema de Sundance, nos EUA, onde ganhou o Prémio do Público para documentários internacionais. Desde então, participou em vários festivais de cinema importantes, como o CPH DOX, na Dinamarca, o Hot Docs Festival, no Canadá, e o Docudays UA - Festival Internacional de Documentários de Direitos Humanos, na Ucrânia, onde recebeu o prémio principal.

AP Photo
O cartaz do documentário "20 Days in Mariupol"AP Photo

As reportagens da AP a partir de Mariupol suscitaram a ira do Kremlin, com o seu embaixador na ONU, Vasily Nebenzia, a afirmar falsamente, durante uma reunião do Conselho de Segurança nos primeiros dias do cerco, que as fotografias que mostravam o rescaldo de um ataque com mísseis a uma maternidade tinham sido encenadas.

O cerco, que terminou a 20 de maio de 2022, com a rendição de um pequeno grupo de combatentes ucranianos sem armas na siderurgia de Azovstal, deixou a cidade em ruínas e cerca de 25.000 pessoas mortas.

O Comité Ucraniano dos Óscares vai analisar a candidatura de 20 Days in Mariupol para a nomeação de um filme da Ucrânia para a 96.ª edição dos Óscares na categoria de Melhor Longa-Metragem Internacional.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Realizador João Canijo conquista Urso de Prata na Berlinale

A Suíça pode ter vencido a Eurovisão, mas será que os números do streaming revelam uma outra versão?

Cannes 2024: Greta Gerwig, presidente do júri, fala do #MeToo e de Trump no ecrã