EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Biden vs Trump: quem quer que Joe Biden seja substituído?

Biden vs Trump: Que celebridades querem que Biden seja substituído?
Biden vs Trump: Que celebridades querem que Biden seja substituído? Direitos de autor Susan Walsh/AP
Direitos de autor Susan Walsh/AP
De  David Mouriquand
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

O célebre escritor norte-americano Stephen King juntou-se a outras celebridades para criticar o Presidente Joe Biden antes das eleições presidenciais dos Estados Unidos no final deste ano. Quem são as figuras de Hollywood que apelam à demissão de Biden e qual a importância do seu apoio?

PUBLICIDADE

Será altura de se retirar? Algumas vozes importantes de Hollywood e da indústria do espetáculo parecem pensar que sim.

O presidente dos EUA, Joe Biden, que completará 82 anos em novembro, tem sido alvo de críticas intensas nas últimas semanas, na sequência de um debate altamente publicitado com o antigo presidente Donald Trump.

Durante o debate, o presidente octogenário teve um desempenho fraco, mostrando sinais de confusão e parecendo perder a linha de pensamento em várias ocasiões. Num momento viral, o comandante-chefe teve dificuldade em dizer o nome do Medicare quando estava a responder a uma pergunta sobre a tributação dos ricos.

O desempenho de Biden fez com que muitos dos seus apoiantes pusessem em causa a sua aptidão para o cargo e a sua capacidade para concorrer à reeleição - especialmente com baixos índices de aprovação e sondagens que o colocam atrás do seu adversário, recentemente condenado.

Joe Biden
Joe Biden AP Photo/Gerald Herbert

O presidente em exercício está a perder o apoio crucial dos seus colegas, dos seus doadores e de várias celebridades de renome. Na verdade, parece que Biden está a perder uma parte importante do voto democrata.

O célebre autor norte-americano Stephen King é a mais recente celebridade a juntar-se a estes apelos. King já tinha apoiado Biden nas últimas eleições e agora pede que o presidente se afaste.

"Joe Biden tem sido um bom presidente, mas é altura de ele - no interesse da América que tão claramente ama - anunciar que não se candidatará à reeleição", partilhou no X.

Como era de prever, Elon Musk foi rápido a responder, publicando um post troll: "Até Stephen King está a votar em Trump!"

King não é o primeiro grande nome do mundo do entretenimento a apelar ao afastamento de Biden nas últimas semanas.

O apresentador de talk shows Stephen Colbert, no seu primeiro programa Late Night desde o debate, disse que assistir ao desempenho desastroso de Biden "tirou um ano da minha vida".

Durante o programa, disse: "Acredito que (Biden) é um homem suficientemente bom. É um presidente suficientemente bom para pôr as necessidades do país à frente das necessidades do seu ego. E por muito doloroso que isso possa ser, é possível que entregar a liderança a uma geração mais jovem seja a coisa certa para um bem maior".

Da mesma forma, o realizador de When Harry Met Sally..., Rob Reiner, partilhou: "Se o criminoso condenado ganhar, perdemos a nossa democracia. Joe Biden serviu efetivamente os EUA com honra, decência e dignidade. É altura de Joe Biden se demitir".

O realizador Michael Moore(Bowling for Columbine, Fahrenheit 9/11) acrescentou uma visão diferente ao seu argumento contra Biden. Durante uma aparição na MSNBC, Moore acusou o partido democrata de cometer "abuso de idosos" ao pressionar Biden a continuar com a campanha eleitoral.

"O problema aqui é que eu acho que há uma forma de abuso de idosos acontecendo aqui, onde o Partido Democrata e as pessoas que fazem parte do aparato estão pressionando e pressionando-o a ficar", disse Moore. "Não sei quanto a vocês, mas apesar das minhas críticas a Biden, assistir ao debate de há uma semana foi de partir o coração", continuou. "Era como se imaginássemos que era o nosso pai que estava ali. E eu pensava: porque é que ninguém faz nada? Porque é que o deixaram subir ao palco neste estado? Quem está a olhar por ele? Quem está a olhar por ele neste momento?"

 Damon Lindelof
Damon LindelofRichard Shotwell/Invision/AP

Outra voz foi a do cocriador de Lost, Damon Lindelof, que também apelou à demissão de Biden: "Biden tem de sair e os Democratas precisam de acordar", escreveu numa coluna para o Deadline.

PUBLICIDADE

Pediu a outros que não fizessem doações ao Partido Democrata até que "haja uma mudança no topo da lista".

"Sou um democrata de longa data e amo o meu complicado e glorioso país", disse ele no artigo de opinião. "Não estou a escrever isto anonimamente porque estou a pedir a outros em posições de influência que façam o mesmo. Não sei se o que tenho a dizer terá importância, mas sei o que os meus olhos, os meus ouvidos e o meu coração me dizem. Tenho estado a dormir ao volante e está na altura de acordar."

O apelo a um boicote aos donativos ao Partido Democrata foi secundado pela herdeira da Disney, Abigail Disney - sobrinha-neta de Walt Disney e doadora democrata de longa data - que avisou que o Partido Republicano ganharia em novembro se não houvesse uma mudança de candidato, acrescentando "Tenciono deixar de fazer quaisquer contribuições para o partido, a menos e até que substituam Biden no topo da lista".

Outro dos maiores doadores dos democratas, o cofundador da Netflix, Reed Hastings, declarou num e-mail ao The New York Times: "Biden precisa de se afastar para permitir que um líder democrata vigoroso derrote Trump e nos mantenha seguros e prósperos".

PUBLICIDADE
Apelos à demissão de Biden
Apelos à demissão de BidenNoah Berger/AP

Apesar desses apelos e boicotes, o presidente em exercício manteve-se desafiador em concorrer ao cargo e insistente sobre sua capacidade de vencer novamente.

Numa carta aberta enviada aos democratas na segunda-feira (8 de julho), o presidente afirmou estar "firmemente empenhado em manter-se nesta corrida, em disputar esta corrida até ao fim e em derrotar Donald Trump".

O presidente disse ainda que teve "conversas extensas com a liderança do partido, funcionários eleitos, membros da base e, mais importante, eleitores democratas" e que tinha "ouvido as preocupações que as pessoas têm - os seus medos e preocupações de boa fé sobre o que está em jogo nesta eleição. Não sou cego em relação a eles".

E acrescentou: "Não estaria a concorrer novamente se não acreditasse absolutamente que sou a melhor pessoa para derrotar Donald Trump em 2024... Tivemos um processo de nomeação democrata e os eleitores falaram de forma clara e decisiva. Os eleitores - e apenas os eleitores - decidem o candidato do Partido Democrata".

PUBLICIDADE
Joe Biden
Joe Biden Morry Gash/AP

Portanto, não está planeada nenhuma passagem do testemunho...

Resta saber se Biden consegue resistir à tempestade, até que ponto os apoiantes das celebridades determinam os votos e se consegue voltar a reunir os seus fervorosos apoiantes a tempo das eleições de novembro.

No entanto, se continuar a perder o apoio crucial das principais vozes e doadores da indústria do entretenimento, continuarão a crescer os receios de que a sua presença na lista de candidatos esteja a dar a Donald Trump um segundo mandato na Casa Branca.

Outras fontes • MSNBC, Deadline, The New York Times

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

A história por detrás da fotografia viral de Lionel Messi com o bebé Lamine Yamal

'A eleição acabou': celebridades reagem à tentativa de assassinato de Donald Trump

Shannen Doherty, atriz de "Beverly Hills, 90210", morre de cancro da mama