EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
Foca-monge do mediterrâneo
Foca-monge do mediterrâneo Direitos de autor Thanassis Stavrakis/APanassis Stavrakis/AP
Direitos de autor Thanassis Stavrakis/APanassis Stavrakis/AP
Direitos de autor Thanassis Stavrakis/APanassis Stavrakis/AP

As espécies mais ameaçadas da Europa a proteger no Dia Mundial da Vida Selvagem

De  Lottie Limb
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notícia
Partilhe esta notíciaClose Button

As populações globais de vida selvagem caíram 69 por cento em média desde 1970

PUBLICIDADE

Esta sexta-feira assinala-se o Dia Mundial da Vida Selvagem, uma data para celebrar a extraordinária diversidade do planeta - e fazer um balanço sobre o que estamos a fazer para o proteger.

É uma edição especial este ano; 3 de março foi escolhido porque é o aniversário da CITES, a Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies de Fauna e Flora Selvagem Ameaçadas de Extinção, assinada em 1973. Este tratado ajudou a proteger milhares de plantas e animais durante 50 anos.

Existem algumas histórias de sucesso, mas espécies preciosas ainda estão a desaparecer. O relatório Living Planet da WWF no ano passado revelou que as populações globais de vida selvagem caíram 69 por cento em média desde 1970.

"No Dia Mundial da Vida Selvagem, refletimos sobre a nossa responsabilidade de proteger a magnífica diversidade da vida no nosso planeta. E reconhecemos o nosso fracasso", afirma o Secretário-Geral da ONU António Guterres.

"As atividades humanas estão a colocar resíduos em florestas, selvas, terrenos agrícolas, oceanos, rios, mares e lagos outrora prósperos. Um milhão de espécies está à beira da extinção, devido à destruição do habitat, à poluição por combustíveis fósseis e ao agravamento da crise climática. Temos de pôr fim a esta guerra contra a natureza".

Embora tenhamos tendência para imaginar os animais mais ameaçados - gorilas de montanha, rinocerontes negros e elefantes florestais africanos, por exemplo - nos continentes vizinhos, a Europa também tem muitas linhas de frente nesta batalha.

Aqui estão algumas das preciosas plantas e animais que estamos em risco de perder.

Raposa do Ártico: Só restam cerca de 450 na UE

Brennan Linsley/AP
Uma raposa do Ártico, fotografada aqui no Zoo de Denver nos EUABrennan Linsley/AP

A raposa do Ártico está criticamente ameaçada na União Europeia. Estes carnívoros brancos da neve têm uma presença mínima na Finlândia e na Suécia, embora populações maiores ainda vagueiem na Rússia.

Originalmente conduzida para perto da extinção pela caça por causa do seu valioso pelo, a raposa enfrenta a nova ameaça das alterações climáticas - uma vez que a tundra do Ártico da qual depende está a desaparecer.

Tubarão-frade: O segundo maior tubarão do mundo está em perigo

Rebecca-Belleni/Getty
Um tubarão-frade, fotografado ao largo da costa ocidental da Escócia.Rebecca-Belleni/Getty

A beleza não é um pré-requisito para ser digno de proteção, felizmente para o tubarão-frade. A sua boca cavernosa torna-o uma visão assustadora para os seres humanos - mas temos feito muito mais danos à espécie, que foi alvo durante séculos do arpão e da pesca com redes.

O tubarão está agora na lista ameaçada da IUCN (União Internacional para a Conservação da Natureza). Nas suas amplas migrações em torno do oceano, tem de estar atento aos navios e acaba muitas vezes como captura acessória.

Enguia europeia: O peixe misterioso a cair na extinção

Getty
A população europeia de enguias diminui desde os anos 70Getty

A enguia europeia está na lista das espécies criticamente ameaçadas da IUCN.

Enfrenta uma vasta gama de ameaças - desde as alterações climáticas ao parasitismo e à poluição. Estes fatores causaram uma queda de populações de 90% em apenas algumas décadas.

Castanheiro-da-índia: Árvore em risco de extinção

Getty
Castanheiro-da-índia em Lochaber, EscóciaGetty

O icónico castanheiro-da-índia cresce em grande parte na Europa. Mas as investidas das traças deixaram a espécie vulnerável, aumentando as pressões do abate, dos incêndios florestais e do turismo.

O mesmo relatório da UICN descobriu que mais de metade (58%) das árvores endémicas da Europa estão ameaçadas de extinção.

PUBLICIDADE

Um terço dos polinizadores vitais ameaçados de extinção

Silas Stein/AP
314 das 890 espécies de mosca voadora na Europa estão criticamente ameaçadas, em perigo ou vulneráveis à extinçãoSilas Stein/AP

Cerca de um terço (37%) de todas as espécies de moscas voadoras na Europa estão ameaçadas de extinção, advertiu a UICN no ano passado.

O declínio é motivo de especial preocupação para a UE.

Lince: Gloriosos felídeos ainda ameaçados pela caça furtiva

Governo da Catalunha via AP
Uma visão rara de um jovem lince ibérico nos arredores de Barcelona.Governo da Catalunha via AP

Este "gato" de orelhas pontiagudas é certamente um dos mamíferos mais carismáticos que corremos o risco de perder na Europa.

O lince ibérico e o lince eurasiático são duas das cinco grandes espécies carnívoras que ainda restam no continente. O primeiro é uma das espécies mais ameaçada do mundo, endémica de Espanha e Portugal.

PUBLICIDADE

Os conservacionistas alertaram que a população de linces eurasiáticos poderá em breve entrar em colapso em França. Mas a Suécia acaba de dar aos caçadores licenças para matar um total de 201 linces.

Foca-monge-do-mediterrâneo: Restam menos de 700 na natureza

Thanassis Stavrakis/AP
Uma foca-monge do mediterrâneo fêmea de um mês no Parque Zoológico da Ática em Spata, Atenas oriental, 2014.Thanassis Stavrakis/AP

A Foca-monge-do-mediterrâne é uma visão rara nas águas europeias.

A partir de 2015, estima-se que menos de 700 destas focas sobrevivem em três ou quatro subpopulações isoladas no Mediterrâneo, particularmente no Mar Egeu, no arquipélago da Madeira e na área do Cabo Branco no nordeste do Oceano Atlântico.

Acredita-se que sejam as espécies mais raras do mundo de Pinípedes (focas).

PUBLICIDADE

O que está a ser feito para proteger as espécies europeias ameaçadas de extinção?

A boa notícia, diz Guterres, "é que temos as ferramentas, os conhecimentos e as soluções para enfrentar a crise da biodiversidade". Para além da CITES, existe o acordo sobre o Quadro Global de Biodiversidade de Kunming-Montreal. Assinado por quase 200 países, tem sido aclamado como o Acordo de Paris para a natureza.

"Precisamos de colocar as vozes das comunidades locais e dos povos indígenas - os guardiões mais eficazes da biodiversidade do nosso mundo - na frente e no centro", sublinha o secretário-geral da ONU, defendendo que "hoje e todos os dias é preciso fazer a nossa parte para preservar os habitats naturais e construir um futuro próspero para todos os seres vivos".

Partilhe esta notícia

Notícias relacionadas