Alterações climáticas podem fazer tornados mais comuns e mais destruidores

Rasto de destruição depois da passagem de um tornado
Rasto de destruição depois da passagem de um tornado Direitos de autor AP Photo
Direitos de autor AP Photo
De  Charlotte Elton
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

É uma das conclusões de um estudo recente, dias depois de uma onda de tornados mortífera nos EUA.

PUBLICIDADE

Mais de 50 pessoas morreram nas últimas duas semanas, quando uma série de tornados mortais atingiu os Estados Unidos. A vaga de tornados rasgou o Alabama, Illinois, Mississippi, Tennessee e Arkansas, destruindo casas e empresas e ceifando dezenas de vidas. Os avisos meteorológicos severos ainda estão em vigor para milhões de americanos.

É impossível identificar exatamente qual o papel desempenhado pelas alterações climáticas na geração das recentes tempestades.

Mas os cientistas advertem que tais eventos devastadores podem tornar-se cada vez mais mortais à medida que o clima global se aquece.

O que são tornados?

É fácil visualizar mentalmente um tornado. São colunas de ar estreitas e violentamente giratórias que se estendem desde uma trovoada até ao chão.

Os tornados nascem de tempestades de supercélulas, que têm uma corrente de ar giratória no seu centro. À medida que a tempestade cresce, esta coluna de ar - o vórtice da tempestade - inclina-se, puxando o ar quente e a humidade para cima. O vórtice incha com vapor de água, enquanto o ar frio é empurrado para baixo. Estas pressões concorrentes forçam a nuvem do funil para o chão, criando a icónica forma de cone'de tornado.

Estes fenómenos dramáticos são encontrados em todo o mundo, mas são mais comuns nos Estados Unidos. O país é responsável por cerca de 75% do total global do tornados, registando cerca de mil por ano. Os tornados concentram-se principalmente no ano na região sinistramente chamada "Tornado Alley", que se estende do Texasà Dakota do Sul.

Estão principalmente nos EUA porque os sistemas de baixa pressão puxam ar quente e húmido do Golfo do México e ar fresco e seco do alto das Montanhas Rochosas.

A maioria é inofensiva e dura apenas alguns minutos. Mas os mais destrutivos podem durar horas, abrangendo vários quilómetros e girando a 480km p/h.

Julio Cortez/AP
Cenário de destruição depois dos recentes tornadosJulio Cortez/AP

Como é que as alterações climáticas terão impacto nos tornados?

Quando se trata de clima extremo, como as ondas de calor, a mudança climática é o culpado óbvio. Com os tornados, a ligação é menos clara - mas um corpo emergente de investigação sugere que a alteração dos padrões climáticos poderia torná-los mais comuns.

De acordo com um estudo publicado na American Meteorological Society (AMS), o número médio anual de supercélulas que atingem a costa oriental dos EUA aumentará em 6,6% até 2100.

Este aumento pode ser parcialmente explicado pelo aquecimento das temperaturas. Formam-se tempestades quando o ar quente e húmido próximo do solo choca com o ar seco e frio na atmosfera superior. O ar quente sobe, e o ar frio desce. A humidade no ar quente condensa-se, formando precipitação.

As temperaturas globais deverão subir 1,5 graus Celsius em relação aos níveis pré-industriais dentro de uma década. Isto significa mais ar quente próximo do solo - o que significa mais instabilidade atmosférica, mais tempestades, e mais tornados.

A época dos tornados pode tornar-se mais longa e mais generalizada

É difícil determinar como as alterações climáticas terão impacto noutras características-chave dos tornados como a direção e velocidade do vento. Mas apesar da complexidade da ciência, o quadro geral não é positivo.

"Estamos fundamentalmente a mudar os ingredientes que fazem um tornado, estamos a carregar os dados para tempestades mais severas", disse Walker Ashley, autor principal do estudo da supercélula, à cadeia noticiosa norte-americana ABC News. "Estamos a aumentar as probabilidades de termos tornados mais severos ao longo do século XXI, estamos a ver que a mudança já está a acontecer. Os perigos destas tempestades também irão provavelmente aumentar", acrescenta.

A época dos tornados decorre tipicamente entre o início de maio e julho nos EUA. No entanto, pode prolongar-se, pois os invernos frios encurtam - evidenciados pelos tornados do início de Abril que devastam os EUA neste momento. Partes do sul dos EUA acabam de registar a estação de tornados de inverno mais activa.

Parece também que a cintura de tornados está a deslocar-se para leste, disse Ashley. É difícil perceber porquê - mas cidades como Atlanta, Charlotte e Nashville podem em breve estar na cintura: "É um alvo em expansão", diz Ashley. "Um tornado que ocorresse há 50 anos atrás na zona de Jackson, no Mississippi, provavelmente não teria feito muitos estragos. Mas, hoje, o impacto seria muito mais substancial", conclui.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Tornados arrasaram o estado norte-americano de Mississipi

Tornado mortal varre cidade no Texas

"Tínhamos esperança": Ativistas do clima partilham opiniões sobre os últimos 5 anos de política europeia