EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Rihanna pede a líderes mundiais que ajudem comunidades mais afetadas pela emergência climática

Rihanna nasceu e cresceu na ilha de Barbados, nas Caraíbas.
Rihanna nasceu e cresceu na ilha de Barbados, nas Caraíbas. Direitos de autor Mike Stewart/Copyright 2023 The AP. All rights reserved.
Direitos de autor Mike Stewart/Copyright 2023 The AP. All rights reserved.
De  Euronews Green com AP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Fundação da cantora doou mais de 13 milhões de euros para justiça climática no ano passado e há muito que apoia comunidades caribenhas após catástrofes

PUBLICIDADE

Rihanna junta-se ao coro de apelos à reforma financeira global para ajudar as comunidades que mais sofrem com as alterações climáticas.

A celebridade da ilha caribenha de Barbados publicou esta terça-feira um tweet dirigido à secretária do Tesouro dos Estados Unidos (EUA), Janet Yellen, e ao diretor do Banco Mundial, Ajay Banga. Diz-lhes que é "preciso que assumam compromissos corajosos para as reformas financeira e da dívida".

A cantora garante ainda que combate as alterações climáticas através da sua Fundação Clara Lionel. "Agora é a vossa vez", remata para os dois líderes financeiros. 

"Vão-se juntar a Mia Mottley [primeira-ministra de Barbados] e ajudar as comunidades mais atingidas por emergências climáticas?", pergunta a Yellen e Banga.

O que é que a Fundação Clara Lionel de Rihanna faz?

A Fundação Clara Lionel (CLF é a sigla do nome em inglês), que tem o nome dos avós da cantora, foca-se na resiliência e na justiça climáticas.

Foi criada em 2012 e já doou milhões em subvenções na sequência de catástrofes naturais devastadoras, tais como os furacões Harvey, Irma e Maria em 2017.

Em 2019, a CLF lançou uma Iniciativa de Resiliência Climática, procurando aumentar a preparação para emergências. Mais tarde nesse ano, doou um milhão de dólares americanos (atualmente, quase 913 mil euros) após o furacão Dorian, fornecendo alimentos e medicamentos de emergência ao norte das Bahamas.

No ano passado, Rihanna prometeu dar 15 milhões de dólares (13,2 milhões de euros) para o movimento climático através da sua fundação.

A cantora anunciou que a doação a 18 organizações de justiça climática iria contribuir para ajudar sete países das Caraíbas e para os EUA. Entre estas organizações, estavam a Climate Justice Alliance, a Indigenous Environmental Network e o Movement for Black Lives.

"Os desastres climáticos, que estão a aumentar em frequência e intensidade, não têm o mesmo impacto em todas as comunidades. As comunidades de cor e as nações insulares são as que enfrentam o peso das alterações climáticas", destacou Rihanna.

Os subsídios, concedidos em parceria com a iniciativa filantrópica StartSmall, do cofundador do Twitter, Jack Dorsey, centram-se em grupos com líderes do sexo feminino, LGBT, negros e indígenas, porque as suas comunidades correm o maior risco.

"Os financiadores devem estabelecer parcerias com organizações de base, reconhecendo a sua profunda compreensão do que é necessário para alcançar a justiça climática nas suas próprias comunidades", declarou Justine Lucas, diretora executiva da CLF.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Apenas um país da UE considera que governo faz suficiente para combater crise climática

Ativistas pedem justiça climática para o continente africano

Fundador da Patagonia doa empresa a fundo de combate à crise climática